Curso de Expressão Verbal

A palavra como ferramenta - O Estado de Minas - mar/02

 

A palavra como ferramenta

Grandes empresas valorizam cada vez mais os profissionais que dominam a arte de falar em público, principalmente aqueles que se candidatam aos cargos de liderança

Você está preparado para falar para meia dúzia de pessoas numa reunião, apresentar um projeto diante de uma pequena platéia, vender uma idéia ou se colocar numa discussão, manifestando oralmente suas opiniões? Se a resposta for 'não', é hora de mudar. Atualmente, saber falar em público é uma das atribuições mais importantes para o sucesso de qualquer profissional. Os especialistas consideram que uma carreira promissora pode ir ao chão se essa dificuldade não for contornada.
'Ninguém mais fica num cargo de liderança dentro de uma empresa se não tiver uma comunicação eficiente', alerta Ricardo Xavier, presidente da Manager, empresa de recursos humanos com sede em São Paulo. Segundo ele, essa exigência tem crescido tanto que a desenvoltura de expressão é cobrada em todas as áreas. Todo profissional, principalmente aquele que deseja ocupar cargos de liderança, tem que ser bem articulado. O básico é saber expor as idéias com clareza mas, quanto mais for desenvolvida a oratória, melhor. 'Ou o profissional aprende a fazer isso, ou estará fora do mercado', adianta.

Para quem está apenas começando, essa capacidade é cobrada no momento da entrevista para preencher uma vaga. Xavier salienta que as empresas têm se preocupado bastante com essa capacidade do seu funcionário e muitas estão investindo no desempenho comunicativo dos empregados como forma de melhorar a própria imagem.
Se o profissional utiliza a fala como instrumento de trabalho, as exigências são ainda maiores, e como nem todo mundo nasce com o dom de se expressar bem, a fluência verbal pode e deve ser melhorada. É o que acredita o advogado Ariosvaldo Campos Pires, diretor da Faculdade de Direito da UFMG. Ele próprio, que nasceu com a vocação de se expressar nos tribunais, procurou diversas formas de aprimoramento. A paixão por discursar fez com que ele preferisse o direito penal, matéria na qual a expressão oral assume importância ainda maior. O criminalista ficou conhecido na década de 70 por te conduzido com êxito julgamentos de repercussão nacional, nos quais se baseou na tese da legítima defesa da honra.

Ainda hoje, mesmo depois de tanto reconhecimento e de ter se tornado professor de oratória. Pires recorre constantemente aos livros e aos grandes mestres. 'O advogado tem que estar sempre ouvindo as pessoas que são boas em oratória', diz. Para os iniciantes, ele recomenda a freqüência de cursos de oratória e o exercício da arte de falar em público. 'Isso foi decisivo na minha carreira', admite.
Já aqueles que não tiveram como se preparar e hoje têm que assumir cargos de direção em entidades de classe, por exemplo, ressentem-se da falta de oportunidades para exercitar a arte de falar em público. O médico José Guerra Lages, presidente da Associação Médica de Minas Gerais, confirma que as associações, de um modo geral, estão cada vez mais complexas do ponto de vista estrutural, exigindo por parte dos dirigentes uma profissionalização mais abrangente, especialmente no que diz respeito à oratória ou à capacidade de falar em público.
'Normalmente, essas entidades não são dirigidas por profissionais que fazem carreira e, quando eles chegam ao cargo, têm que correr atrás do prejuízo', diz. O médico, por exemplo, de formação voltada para a área humana e científica, não recebe nenhuma preparação para representar uma entidade e tem que se qualificar nesse sentido. 'Estamos pensando em desenvolver um curso aqui na associação, justamente para auxiliar na formação desses profissionais. No meu caso, acredito que poderia ter desempenhado muito melhor uma série de cargos que assumi se tivesse recebido uma orientação dirigida', completa.

Autor de uma vasta bibliografia sobre a arte e os segredos de falar em público, Reinaldo Polito, lembra que, cada vez mais, os profissionais de qualquer área devem aprimorar sua fluência verbal. É o caso dos engenheiros. Nos cursos que ministra, Polito recebe um número grande de alunos dessa área. De acordo com ele, esses profissionais, por serem bem preparados e terem facilidade para o cálculo, tendem a subir nas empresas e a ocupar cargos de gerência, onde têm que participar de reuniões e processos de negociação, entre outros. O problema é que, durante a faculdade, eles não recebem orientação para falar e, de uma hora para outra, passam a depender mais da comunicação do que da engenharia.
Polito considera normal o receio de falar em público e até avalia como algo positivo o fato de a pessoa ter um certo medo. Ele próprio confessa que ainda sente um 'frio na barriga' toda vez que vai se apresentar. 'Um pouco de adrenalina é sempre bom, porque dá mais emoção à fala e faz com que a pessoa se prepare melhor', explica. Para ele, o que a pessoa precisa superar são os três fatores que podem deixar qualquer um inseguro. O primeiro é a falta de conhecimento sobre o assunto que será apresentado. A falta de experiência no uso da falta e de auto-conhecimento de suas qualidades de comunicação são os outros dois problemas. Mas todos eles têm solução. O primeiro passo é estudar o assunto e organizar a fala, de modo a evitar insegurança. Quem quer aprender a falar em público deve aproveitar todas as chances de se apresentar, para ganhar segurança. Também é importante reconhecer suas qualidades de comunicação, para aprender a valorizá-las.
'No mais, é abusar da naturalidade para se tornar um comunicador irresistível. Ao falar, deve-se pensar que está falando para amigos. Mostrar energia, disposição, entusiasmo. Tudo isso é importante e poderá fazer do profissional um bom orador'.

Superando o medo

Dicas para driblar a ansiedade de falar em público e se expressar melhor

Cuidado com estrangeirismos! Se for usá-los numa apresentação, preste atenção na pronúncia correta.
Existe um tom de voz correto para cada tipo de apresentação em público.
Se você tem voz excessivamente aguda ou grave, há exercícios que podem ajudá-lo.
Vícios de linguagem devem ser evitados. Por exemplo, não termine uma frase com 'né?'.
Nunca decore um texto. Existem formas melhores de apresentação.
Saiba exatamente o que vai dizer no início, quase palavra por palavra, pois nesse momento estará ocorrendo maior liberação da adrenalina.
Leve sempre um roteiro escrito com os principais passos de apresentação, mesmo que não precise dele.
Se tiver que ler algum discurso ou mensagem, imprima o texto em cartão grosso ou cole a folha de papel numa cartolina. Assim, se as suas mãos tremerem um pouco, o público não perceberá e você ficará mais tranqüilo.
Ao chegar diante do público, não tenha pressa de começar. Respire o mais tranqüilo que puder, olhe para todos os lados da platéia e comece a falar mais lentamente e com volume de voz mais baixo. Assim não demonstrará instabilidade emocional para o público.
Antes de falar, quando já estiver no ambiente, não fique pensando no que vai dizer.
Preste atenção no que as outras pessoas estão fazendo e tente se distrair um pouco.
Antes da apresentação, evite conversar com pessoas que o aborreçam, prefira falar com gente mais simpática.
Antes de fazer sua apresentação, reúna os colegas de trabalho ou pessoas próximas e treine várias vezes. Lembre-se de exercitar respostas para possíveis perguntas ou objeções, para não se surpreender diante do público.
Se der o branco, não se desespere. Repita a última frase para tentar lembrar a seqüência. Se esse recurso falhar, diga aos ouvintes que voltará ao assunto mais tarde.
Todas essas recomendações ajudam no momento de falar mas nada substitui uma boa preparação.
Seja você mesmo. Nenhuma técnica é mais importante que sua naturalidade.
Pronuncie bem as palavras, sem exagero.
Fale com boa intensidade, sempre de acordo com o ambiente.
Fale com bom ritmo, alternando a altura e a velocidade da fala para manter aceso o interesse dos ouvintes.
Tenha um vocabulário adequado ao público.
Cuide da gramática, pois um erro nessa área poderá comprometer a apresentação.
Tenha postura física correta.
Dê à sua fala início, meio e fim.
Fale com emoção, demonstre interesse e envolvimento pelo assunto.