Curso de Expressão Verbal

Aprenda a falar bem em público - Gazeta Mercantil Amazonas - nov/99

Gazeta Mercantil Amazonas - nov/99

29/11/1999 - Lenise Ipiranga

Aprenda a falar bem em público

Para muitos falar em público pode ser fácil, mas para outros constitui-se em uma tarefa complicada e até mesmo dramática. O especialista Reinaldo Polito esteve em Manaus, no último final de semana, e falou sobre a importância da naturalidade e do uso de técnicas de comunicação e expressão verbal para quem precisa falar em público.

Entre técnicas milenares de expressão verbal, Polito destaca que qualquer pessoa que fala em público precisa dominar o assunto, ordenar o pensamento e avaliar o tipo de ouvinte que vai enfrentar. Também é preciso observar se existe algum tipo de resistência do público com relação ao tema a ser tratado ou a quem está falando.

O tom de voz, a dicção, o vocabulário, a correção gramatical e a postura corporal também são importantes elementos para uma eficiente oratória.

O especialista ressalta também a importância da ética na comunicação. Até mesmo um selo de certificado foi criado para isso, o AS8000, que pressupõe a ética nas empresas.

Um empresário pode até se dar bem em entrevistas, utilizando técnicas e muita naturalidade, mas se não for ético perderá a confiança tanto do jornalista quanto do público leitor e consumidor.

Dominando a técnica da expressão verbal

Deve-se usar a técnica desde que essa não viole a naturalidade, pois qualquer técnica que desperte dificuldade ou não é boa ou não é apropriada.

'Senhoras e senhores bom dia, inicialmente quero agradecer o convite e dizer que é muito bom estar aqui para falar sobre...'.

Para muitos isso pode ser fácil, mas para outros falar em público constitui-se em uma tarefa complicada e até mesmo dramática. Saber falar corretamente, ter conhecimento profundo do assunto, dominar técnicas de comunicação e expressão verbal e, principalmente, falar com naturalidade podem definir a trajetória de sucesso ou fracasso de estudantes e profissionais de todas áreas.

Falar, falar e falar. Hoje em dia todos têm que falar, pois há muito tempo que falar em público deixou de ser exclusividade de padres, políticos e advogados.

Agora as pessoas têm que falar no seminário da escola, na defesa da tese do doutorado, na apresentação de um projeto técnico, na coletiva com a imprensa, na inauguração da fábrica, na reunião de diretoria, no sofá do Jô Soares ou de frente com Marília Gabriela. Mas falar como?

O economista Reinaldo Polito esteve em Manaus, no último final de semana; para falar ao público amazonense sobre o assunto. Polito é considerado o maior especialista em comunicação e expressão verbal do país e uma referência para executivos e políticos que têm dificuldade em falar em público, com 24 anos dedicados a ensinar técnicas para estudantes, profissionais e personalidades como o ministro Alcides Tápias, o piloto Christian Fittipaldi, a cantora Vanuza e a Feiticeira. Por sua escola em São Paulo já passaram mais de 30 mil alunos, com idade a partir dos 17 anos e sem limite de idade ou área de atuação.

Acompanhado de Jairo Del Santo Jorge, um dos seus 21 professores, e de Marlene Theodoro, sua esposa e também pesquisadora de seus trabalhos, Reinaldo Polito falou sobre a importância da naturalidade na comunicação e do uso correto de técnicas de expressão verbal.

'Naturalidade é fundamental. É a melhor técnica e a mais importante que existe.
É preferível um erro técnico com naturalidade, do que um acerto técnico com artificialismo. Mas não se trata de defender o erro e sim de aproveitar qualidades', avalia Polito.

E acrescenta que deve-se usar a técnica desde que essa não viole a naturalidade do locutor, pois qualquer técnica que desperte dificuldade ou não é boa ou não é apropriada. A técnica boa é a que flui naturalmente.

Reinaldo Polito explica que o objetivo de seu trabalho não é colocar ninguém dentro de um padrão, pois todas as pessoas sabem falar e têm recursos excepcionais de comunicação, apenas não sabem como utilizá-los. Segundo ele, não é uma questão de certo ou errado e sim de comportamentos desaconselháveis. Mas isso não quer dizer que quem comete um erro técnico não pode atingir seu objetivo. Muitas vezes um aparente erro técnico é uma marca registrada da pessoa e pode se transformar em uma característica positiva.

Entre técnicas milenares de expressão verbal, Polito destaca que qualquer pessoa que fala em público precisa dominar o assunto, ordenar o pensamento e avaliar o tipo de ouvinte que se vai enfrentar. É necessário saber o nível intelectual, que tipo de informação a platéia tem sobre o tema, qual a idade e o interesse desses ouvintes. Com a mensagem e o tipo de público avaliados, o locutor pode ordenar sua fala.

Também é preciso observar se existe algum tipo de resistência do público com relação ao tema a ser tratado. Caso exista, é aconselhável não emitir uma opinião logo de início, pois a resistência pode aumentar ainda mais.
O locutor deve tocar em pontos comuns até que o público se desarme. E se a resistência for em relação a quem está falando e necessário sutileza para mostrar que se tem competência para falar do assunto. O tom de voz, a dicção, o vocabulário, a correção gramatical e a postura corporal também são importantes elementos para uma eficiente oratória.

E o mundo empresarial exige cada vez mais de seus executivos, com inúmeras negociações, reuniões, apresentações de projetos. 'A empresa que se fecha ao público, que não se projeta, está morta', avalia Reinaldo Polito. E não se pode concentrar essa comunicação em uma única pessoa. A exemplo de um problema ou novidade ocorrida no departamento de produção, no qual a imprensa vai querer ouvir o gerente de produção, ou o profissional que conhece o assunto, e não com o gerente financeiro, porque esse fala bem. Mas também não adianta o gerente de produção dominar o assunto e não saber como transmitir as informações. Na escola de Reinaldo Polito 60% dos alunos são engenheiros.

E ele explica que esse profissional tem uma formação técnica muito boa e muitas vezes ocupa cargos que deveriam ser de economistas ou administradores.

Com isso, ele consegue crescer na empresa e quando chega na supervisão, gerência ou diretoria o seu conhecimento técnico continua sendo importante, mas ele passa a participar mais de reuniões, dar entrevistas ou apresentar projetos.
E um engenheiro não tem preparo para isso, daí a grande procura desse profissional por técnicas de comunicação e expressão verbal. O especialista ressalta também a importância da ética na comunicação.

Até mesmo um selo de certificado foi criado para isso, o AS8000, que pressupõe a ética nas empresas. Um empresário pode até se dar bem em entrevistas, utilizando técnicas e muita naturalidade, mas se não for ético perderá a confiança tanto do jornalista quanto do público leitor e consumidor.

E sobre o medo de enfrentar platéias, o próprio Reinaldo admite sentir um nervosismo antes de suas aulas e palestras diárias, inclusive em finais de semanas.

O nervosismo é seu companheiro. E lembra o discurso do radialista Osmar Santos, que foi paraninfo de uma das turmas da escola de Polito, quando disse que no dia em que não sentisse mais aquele nervosismo antes de iniciar a narração de um espetáculo esportivo, abandonaria a profissão porque não estaria mais envolvido com ela. Reinaldo Polito concorda e acrescenta que o medo pode ser um grande aliado, isto se devidamente controlado. Para muitos são os 15 segundo iniciais, para outros são os 45 minutos iniciais, em todo caso o medo deve ser dominado com a certeza do conhecimento do assunto, do uso correto das técnicas e da receptividade da platéia.

Além de palestras e cursos, as técnicas e dicas do especialista Reinaldo Polito também podem ser encontradas em seus nove livros publicados. Publicado em 1986, o livro 'Como falar corretamente e sem inibições' está na 83º edição, ficou 17 quinzenas na lista de livros da revista Exame, um ano na lista dos mais vendidos da Veja. Nos últimos 18 meses o livro passou por 33 edições, enquanto em 12 anos foram apenas 50 edições. O seu mais recente livro é 'Assim é que se fala'. 'As pessoas estão desesperadas, porque se não souberem falar, se não tiverem uma comunicação eficiente não terão como caminhar', explica Reinaldo Polito, acerca do aumento da procura pelo tema, registrado inclusive na venda de suas publicações.