Curso de Expressão Verbal

Assim é que se fala - Como organizar e transmitir idéias

Sinopse

Com novo projeto gráfico e ilustrações mais modernas, bem-humoradas e criativas, esta nova edição foi completamente reformulada: uma linguagem ainda mais cativante, envolve o leitor e estabelece com ele um diálogo bem informal mas ao mesmo tempo bastante explicativo sobre como fazer uma boa apresentação, falada ou escrita, de forma estruturada, coerente e elegante, com propriedade e segurança.

Assim é que se fala inclui ainda um CD de áudio com uma aula ministrada por Reinaldo Polito. Um verdadeiro curso para conquistar platéias e ordenar todos os tipos de apresentação, com proposta de trabalho, exercícios de fixação e questionário de auto-avaliação.

 

Resenha

'Com estilo simples e direto, Polito atinge todo tipo de leitor que pretende melhorar a comunicação oral e escrita.'
O Estado de São Paulo

 


 

Cada apresentação precisa ser planejada de acordo com as características do seu conteúdo e do tipo de público que irá ouvi-la.

Uma introdução recomendada para quebrar a resistência da plateia quanto ao ambiente ou ao tema pode não ser apropriada para conquistar o interesse de ouvintes indiferentes à mensagem.

A preparação detalhada de um assunto, necessária para facilitar o entendimento de pessoas não familiarizadas com o tema, pode ser supérflua e cansativa diante de uma plateia com maior domínio da matéria.

Esta obra do Prof. Reinaldo Polito propõe um roteiro seguro para que você possa ordenar bem qualquer apresentação. Ela será útil para ajudá-lo a entabular uma conversa social ou de negócios, fazer palestras, expor produtos, ministrar aulas, proferir conferências, preparar projetos, elaborar relatórios, redigir uma matéria jornalística, escrever um livro, organizar uma tese, mostrar um trabalho escolar, enfim, realizar qualquer tipo de comunicação falada e escrita.

Um verdadeiro curso para conquistar plateias e ordenar todos os tipos de apresentação, com proposta de trabalho, exercícios de fixação e questionário de autoavaliação.

Assim é que se fala, 28ª edição - 6ª reedição. Polito, Reinaldo. São Paulo: Saraiva, 2015. Prefácio de Márcio Thomaz Bastos. 242 páginas.

A escola pode preparar o futuro profissional a falar bem
Em determinadas circunstâncias a boa comunicação pode ser mais importante para o sucesso profissional do que o conhecimento técnico. Mas, será que as escolas estão preparadas para ensinar a falar bem?

Até fins dos anos 60, era muito comum a participação dos jovens nos grêmios estudantis, tanto das escolas particulares quanto das escolas oficiais. Incentivava-se, no interior da instituição, ainda que fora da sala de aula, o jovem a falar, a expor suas ideias de forma clara e convincente para uma plateia que também aprendia a ouvir... Isso sem mencionar os pequenos grupos de teatro que se formavam no recinto escolar - ou paralelamente a ele - e que acabavam também por se constituir numa ótima oportunidade de aprender a falar bem.

O tempo passou... A forma de ensinar e aprender mudou (e como mudou!). E, embora o desenvolvimento da competência de falar em público não esteja entre os objetivos explícitos das escolas em geral, nem por isso deixou-se de ter a expectativa de que os alunos saibam argumentar, contra-argumentar, defender opiniões - principalmente na linguagem escrita - e apresentar trabalhos de forma objetiva, clara e convincente. Na universidade e na vida profissional, a expectativa de boas apresentações é ainda maior. Professores e colegas querem assistir a seminários envolventes, que de imediato causem empatia, com exposições claras, organizadas, acompanhadas de todos os recursos disponíveis pelas novas tecnologias. Chefes, subordinados, clientes e fornecedores, no mundo corporativo, também não deixam por menos. Esperam que um bom profissional apresente suas ideias, seus projetos, os resultados das pesquisas de seu grupo, as qualidades do produto e dos serviços que a empresa oferece, com uma comunicação simples e natural, acompanhada dos recursos tecnológicos mais atuais, para que todos possam assimilar com facilidade as novas informações.

Não é por outro motivo que o livro Assim é que se fala, de Reinaldo Polito, chega à sua 27ª edição com sucesso absoluto de público, tendo entre seus leitores pessoas das mais diferentes idades e profissões, todas ansiosas por aprimorar sua linguagem e, consequentemente, ter uma melhor imagem junto a seus ouvintes. O renomado professor de comunicação e expressão verbal vem, há mais de 30 anos, com profissionalismo invejável, mostrando as formas de se ter uma comunicação absolutamente eficaz. Numa linguagem acessível, eficientemente didática, o mestre nos ensina como falar em cada situação que exige explanação, argumentação e persuasão.

Revista, ampliada e atualizada, a 28ª edição foi lançada pela Saraiva possui com CD explicativo. Dividida em duas partes, a obra traz verdadeiras aulas sobre como escolher o assunto, como determinar os objetivos, como preparar as informações a ser transmitidas, como utilizar os recursos disponíveis, como tornar agradável o ambiente em que o tema vai ser exposto, como se dirigir aos diferentes públicos - desde o mais simpático até o mais hostil -, como enfrentar as perguntas dos ouvintes, como driblar situações inesperadas, como provocar arrebatamento até o momento final. Facilmente assimiláveis não só por quem precisa fazer apresentações orais, mas também por quem deseja obter conhecimentos sobre o assunto, as explicações são seguidas de exercícios que visam a fixação das informações e estimulam o leitor a vencer as barreiras que possa ter para se comunicar nas situações mais imprevisíveis.

Tem ainda a obra de Reinaldo Polito o mérito de trazer textos e ilustrações muito bem-humorados, como o que se lê e a que se vê na página 68:

Quando a Rainha Elizabeth II visitou os Estados Unidos, [...] ela praticamente desapareceu atrás da tribuna, preparada para o presidente George Bush, muito mais alto. Sua fala ficou conhecida como o discurso do chapéu ou das listras, porque o chapéu listrado foi a única 'parte' visível da Rainha.

Já nos eventos em que o ex-presidente americano Bill Clinton se apresentava logo após sua esposa Hillary, era possível verificar que, quando ele chegava diante do público para falar, sempre empurrava discretamente com o pé um pequeno tablado para baixo da tribuna, colocado ali estrategicamente para que proporcionasse a mesma altura para o casal, por causa da sua estatura mais elevada que a dela.

Ainda bem que algumas instituições de ensino já começaram a perceber a importância de seu papel também na comunicação oral, apontando e sugerindo formas de aprimorar a linguagem. Assim é que se fala foi adotado em 2002 para o Programa Biblioteca do Ensino Médio da Secretaria de Educação do Governo do Estado do Paraná e, em 2003, pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Vamos torcer para que outras instituições o adotem também como parte de sua bibliografia básica ou complementar. Afinal, não é só ler e escrever que cabe à escola ensinar.

Edna Maria Barian Perrotti
Doutora em Linguística