Curso de Expressão Verbal

Falar em público pode até parecer um bicho de sete cabeças, mas não fique preocupado. planejamento é a palavra chave para se dar bem nessas situações - Revista UM - Jan/10

 

Falar em público pode até parecer um bicho de sete cabeças, mas não fique preocupado. planejamento é a palavra chave para se dar bem nessas situações


Texto: Leonardo Zanon
 
A reunião foi marcada e toda a diretoria estará no auditório. É mais de uma dezena de pessoas. E agora, o que fazer? Essa frase martela na cabeça de muitos profissionais, experientes ou não, na hora de fazer uma apresentação para uma plateia. Nesses momentos, muitos descobrem que falar em público é mais complicado do que se imagina. Uma pesquisa do jornal Sunday Times com 3 mil norteamericanos, por exemplo, detectou que 41% deles sentem medo de falar diante de um grupo de pessoas. Você pode ser um deles, mas saiba que não está sozinho.

Hipertexto
Outra pesquisa realizada com 10 mil australianos mostrou que um terço dos entrevistados prefere a morte a falar em público.


A boa notícia é que é possível vencer os obstáculos, o suadouro, o frio na barriga e fazer dessa ação um gesto muito mais natural. Um exemplo é o mestre de cerimônias e apresentador Domenico Gatto da Rádio 97 FM. Hoje, enfrentar grandes aglomerações é algo natural para ele. Mas, nem sempre foi assim. 'Sempre tive muito medo de falar em público e só percebi que poderia apresentar e falar para muita gente assim que fiz o primeiro evento em uma rádio em Campinas, em 1988', diz Gatto, que já se apresentou em eventos com mais de 50 mil pessoas. 'Hoje é um prazer e a tensão não existe mais', assegura.

O apresentador não é um exemplo único. Com a técnica certa, outros poderão seguir seu exemplo. Para Reinaldo Polito, com 19 obras lançadas sobre o assunto e dono da maior escola de oratória do mundo, o segredo está em saber ordenar o pensamento. Do contrário, atravanca- se toda a comunicação. 'De maneira geral, não saber organizar as ideias, não ter objetividade, não conseguir adaptar a mensagem ao tipo de público que vai enfrentar e ter medo de falar diante da plateia é o que deixa o indivíduo inseguro'.

Já a psicóloga Maria Regina Domingues de Azevedo explica que o medo tem origem na expectativa de que algo ruim aconteça e no desconforto de ser avaliado e observado por outras pessoas. 'O medo e a insegurança caminham lado a lado. Decorrem de um conjunto de fatores que inclui a expectativa de que as coisas não saiam da forma como planejadas, de encarar uma situação nova e de se sentir avaliado, analisado e/ou observado por terceiros, principalmente, desconhecidos'.

No Brasil, são muitos que se enquadram nesse perfil. Uma pesquisa realizada em abril de 2008 pela revista Você S/A, apontou que 66% do universo de 481 leitores assumiram que o medo e a insegurança são os principais fatores que proporcionam os erros. Foi o caso, por exemplo, de Fábio Romano, gerente de projetos da empresa de tecnologia Bematech. Quando foi exigido pela primeira vez no ambiente corporativo que fizesse uma apresentação diante de um público, travou. Na época, tinha apenas 19 anos e trabalhava em uma empresa norte-americana do ramo tecnológico. 'Me senti totalmente inseguro. Não por falta de conhecimento do assunto, mas por pensar que alguém pudesse fazer perguntas que eu desconhecesse as respostas', justifica-se.
Mas, em boa parte das vezes, o medo é decorrente justamente de uma má preparação, de um ensaio malsucedido. Portanto, para alguns especialistas, a melhor forma de treinar é conversar sobre o assunto que será exposto e se antecipar a possíveis questionamentos e embaraços. 'Ao conversar sobre o tema da apresentação, o executivo irá verbalizar o conteúdo da exposição. Dessa forma treinará a atividade que necessita desenvolver na frente da plateia', orienta Polito.

Fábio Romano aprendeu com suas sucessivas experiências. Hoje, costuma realizar reuniões de alinhamento de projeto junto a diretores e altos executivos. Agora, estuda o perfil dos presentes e confia no seu 'taco' diante das contra-argumentações que costumam surgir nesse tipo de encontro. 'Há os críticos, que preferem mostrar o seu conhecimento pelo assunto de qualquer jeito, e os observadores, realmente interessados. Por isso, me preparo sempre nos assuntos abordados. Quem se apresenta diante de uma plateia deve realmente dispor de conhecimento do assunto em pauta', completa Romano.
Quem fala bem em público leva vantagem no mercado corporativo. Um estudo da Global Anual da PricewaterhouseCoopers, também de 2008, com 1,1 mil CEOs de todo o mundo, verificou que entre as habilidades pessoais mais valorizadas em um candidato à seleção é o seu poder de comunicação. Não é para menos. Profissionais que são seguros passam credibilidade. 'Quem demonstra insegurança, receio e desconforto diante do público, passa a imagem de alguém despreparado, sem domínio daquilo que faz e fala', alerta a especialista.

     Inside
     10 passos para uma comunicação mais eficaz

  • Estude muito bem o assunto antes.
  • Saiba o que, como, a quem e porquê você deve dizer aquilo.
  • Não ingira muito líquido horas antes, pois o nervosismo gera vontade de ir ao banheiro.
  • Tente determinar o tempo que irá usar para cada assunto ou tema.
  • Seja o centro das atenções. Fale firme, aproxime-se dos que estão mais dispersos, para que eles foquem em você.
  • Encare sempre a plateia de frente, sem fixar o olhar em um ponto. Movimente-se de forma lenta e gradativa. Nada de passear ou correr demais.
  • Nunca leia suas anotações. Entenda tudo do assunto. Elas só servem de apoio.
  • Se possível, use recursos visuais, como gráficos, tabelas, ilustrações e imagens. As pessoas se atentam quando há uma comunicação visual.
  • Seja claro nas afirmações. Nunca fique em dúvida.
  • Monte as frases com sujeito, verbo e predicado, sempre de forma simples e evite o uso de piadas.

Revista UM - Edição 59

Faça um curso com Reinaldo Polito