Curso de Expressão Verbal

Imprevisto planejado - Jornal Hoje em Dia - ago/06

Imprevisto planejado

Imagine que você esteja sentado na platéia do auditório, onde daqui a instantes acontece a abertura de um importante evento na área em que atua. O mestre-de-cerimônia anuncia o principal convidado, dizendo que se atrasou um pouco, mas que já está no recinto e, enquanto ele se prepara, gostaria de, sem muita formalidade, presentear a todos com as palavras de um ilustre participante. Você!

Após as palmas e a tentativa de disfarçar a surpresa, todos os olhos estão voltados para você, que tem poucos passos para percorrer até o palanque para pensar no discurso que terá de fazer... de improviso. A última coisa que passava pela sua cabeça era discursar naquela manhã.

Provavelmente suas mãos estarão suadas, seus batimentos cardíacos acelerados e você estará com uma quantidade grande de adrenalina sendo retida pelo organismo. 'É a mesma sensação que sentia um homem das cavernas quando se encontrava em situação de perigo. Só que lá, ele corria. Você não pode correr e não metaboliza essa adrenalina. Precisa se controlar,' analisa o professor de Expressão Verbal e Mestre em Ciência da Comunicação, Reinaldo Polito.

Segundo ele, quando as pessoas pensam em discurso de improviso, imaginam que terão de encarar a platéia falando sobre assuntos que não dominam. 'A verdade não é essa. Se você foi chamado para estar ali, é porque tem conhecimento sobre o tema. Quando as pessoas não conseguem se controlar é porque não têm conhecimento, experiência, não sabem como se organizar e não se conhecem positivamente'.

Para aproveitar a oportunidade e sair-se bem de uma situação em que o improviso é inevitável, Polito ressalta a importância de vislumbrar uma ocasião como essas e planejar a explanação. 'Ter a chance de demonstrar conhecimento diante do público é avaliado como um significado de crescimento profissional. Mesmo que nunca passe por isso, é importante que você se imagine em tal situação'. Pode parecer pretensioso mas, segundo Polito, é a melhor maneira de não desperdiçar o momento e impressionar positivamente o público.

'É simples. Quando estiver a caminho do evento, mentalize um discurso. Pense em uma maneira de introduzir o assunto, utilize algum fato curioso que você acabou de presenciar e estabeleça um paralelo com o assunto principal'. Fazer conexão com situações cotidianas é, para Polito, uma forma mais amena e prazerosa de chamar a atenção dos ouvintes. Quanto ao exercício de planejar o discurso, mesmo que o nome chamado para a abertura do evento nunca seja o seu, pode vir a ser importante para o desenvolvimento profissional.

Outro conselho importante do especialista é programar o começo e o final da fala. 'Como já dissemos, você será acionado para falar de um assunto que você já domina, logo não terá dificuldades em discorrer. O principal impedimento é iniciar e terminar o discurso. Tenha esses pontos bem claros em mente e respeite-os. Comece e termine exatamente da maneira como planejou'.Polito é autor do recém-lançado 'Como Falar de Improviso', e diz que o próprio fato de você ter pensado em uma maneira de iniciar um discurso já soa como uma boa introdução.

Orientações para profissional em apuros

Além do hábito de planejar pequenas apresentações, mesmo que elas nunca venham a acontecer, o professor de Expressão Verbal, Reinaldo Polito dá dicas de como montar um esquema que pode auxiliar profissionais em apuros. 'Basicamente precisamos estar atentos a alguns aspectos do discurso: a introdução, que pode ser planejada rapidamente, a técnica do assunto paralelo, ordenação do assunto principal, refutação e a conclusão'.

O professor diz que, à primeira vista, organizar um discurso de improviso pode parecer um bicho-de-sete-cabeças, mas que é um exercício simples. 'O primeiro passo é habituar-se a planejar. Quando vamos discorrer sobre um assunto que não temos muita informação ou não tivemos tempo para preparar a sua ordenação, uma boa idéia e utilizar um assunto paralelo'. Polito afirma que essa tática chama a atenção do público para o tema central: 'É importante que seja algo a respeito do qual você tenha conhecimento e que possa ser relacionado ao assunto principal. Um hobby, um esporte que pratica, algo referente ao palestrante anterior. Você vai discorrendo sobre o assunto paralelo e fazendo conexões até entrar de fato no tema da palestra'.

Quando for inserir o tema central no discurso, Polito aconselha que seja feita a ordenação do assunto, relatando ao público o passo a passo da sua apresentação. 'Dividir a exposição em partes menores facilita o entendimento da platéia e torna a tarefa mais fácil para o palestrante', comenta. Por se tratar de um discurso de improviso, é possível que se tenha objeções por parte do público. Nesse caso, Polito diz que o melhor a fazer é, caso o assunto tratado seja do seu conhecimento, refutar consistentemente tais objeções. Justamente por se tratar de um discurso de improviso a conclusão pode se adaptar ao ambiente do evento. 'O mais indicado é que o fechamento tenha sido planejado. Mas nada impede que você utilize um fato novo ou algo que ocorreu no andamento da palestra. Contudo, seja breve, agradeça a oportunidade, a atenção de todos e lhes deseje sucesso'.

IMPROVISO
Dicas para sair-se bem

Discurso

  • Planeje
  • Saiba como começar e terminar
  • Seja breve
  • Não tenha pressa para começar
  • Utilize um assunto paralelo
  • Ordene a apresentação do tema central
  • Faça anotações
  • Não peça desculpas
  • Fale mais baixo no início
  • Fale apenas sobre temas que você domina
  • Não recuse convites
  • Agradeça a oportunidade

Contato com professor Reinaldo Polito: (11) 2068-7595 / www.polito.com.br