Curso de Expressão Verbal

O que o Gugu tem que o Faustão não tem - Correio Popular de Campinas

 

O que Gugu tem que Faustão não tem

Especialistas analisam os programas líderes de audiência aos domingos nas televisões abertas

O que fez Gugu Liberato devolver ao 'SBT' a liderança na audiência das tardes de domingo, há mais de 10 anos facilmente obtida por Fausto Silva com seu Domingão? E Silvio Santos, há mais de 30 anos no ar, como consegue cativar os telespectadores usando um mesmo discurso? Segundo especialistas, os atributos e os defeitos daqueles que são considerados os maiores comunicadores da televisão brasileira, aliados ao tipo de programa que fazem, podem interferir na qualidade dos programas que você assiste.

Para Reinaldo Polito, um dos mais conceituados professores de expressão verbal do País - com 25 anos de experiência na área e que já formou mais de 30 mil alunos, entre eles, profissionais da televisão -, Faustão é um dos melhores comunicadores. 'Ele tem presença de espírito e o bom humor que normalmente não se encontra nos outros apresentadores. Além disso, pega a informação e imediatamente traz aquilo para a atualidade, depois a leva para a realidade das pessoas.'

Com tantos atributos assim, por que então ele está perdendo cada vez mais audiência? Segundo Polito, Gugu leva vantagem na 'briga' apesar de mais limitado, porque 'tem uma produção que é muito mais rápida nas mudanças e, se algo não está dando certo, eles conseguem mudar no decorrer do próprio programa'.

Piadas sem graça

Para ele, o que estaria prejudicando o Domingão é o esquema 'carregado' que se mantém há muito tempo. 'Aquilo talvez não esteja dando resultado e ele não se mexe para mudar, então o problema não é do apresentador e sim do tipo de programa que estão fazendo para ele', diz. De acordo com o professor, as piadas e brincadeiras feitas por Faustão, que o tornaram conhecido com seu antigo programa Perdidos na Noite (na 'Band'), são feitas em clima apropriado, mas como ele não tem liberdade, às vezes, as piadas começam a ficar um pouco sem graça.

A fórmula 'entretenimento aliado ao jornalismo', que vem dando bons resultados com Gugu, foi copiada pela atração global, mas mesmo assim não se transformou em pontos no Ibope. 'Faustão não tem experiência nisso, deveria seguir seu próprio caminho. Já o Gugu sabe chamar, criar a expectativa, valorizar o momento. Ele vai fazendo chamadas e você fica interessado em saber que tipo de informação é aquela. Cria uma expectativa e ela, de certa forma, é confirmada. Além disso, ele sempre consegue fazer um bom fechamento. Com os outros apresentadores isso nem sempre acontece.'

Polito destaca também que Gugu tem a flexibilidade para passar de momentos tristes para alegres. 'Em um momento, está dando risada e, no outro, passa a mostrar uma notícia com aquele semblante de preocupação que o telespectador imaginava que ele pudesse ter naquele instante', ressalta. 'Quando ele vai para uma situação alegre, volta a ter um semblante descontraído, de acordo também com a expectativa. Ele consegue falar a linguagem que as pessoas estão pretendendo ouvir. Essa é a grande vantagem.'

A fórmula do sucesso Silvio Santos conhece bem. 'Ele é o rei. É o melhor que existe. Quando todo mundo pensa que ele vai naufragar, ele aparece com algo diferente, inusitado, reconquista a audiência. O Show do Milhão é um exemplo disso', garante Polito.

E o que faz com que as pessoas fiquem acordadas até tarde para assisti-lo? Como ele consegue manter a audiência por tantos anos? A explicação do professor é simples. 'Ele conhece a alma do ouvinte.' Outro fator importante e que garante o sucesso é que Silvio Santos escolheu um tipo específico de público e tem uma comunicação voltada para ele. 'Ele não está preocupado em ser intelectualizado, em fazer um programa de altíssimo nível. Faz um bom programa, engraçado, divertido, e que atenda aquele tipo de telespectador'.

Os bordões usados pelo 'homem do Baú', segundo Polito, também são muito importantes. 'Vem cá, vem cá, Ah! Quem quer dinheiro? Tudo isso é para manter o ritmo, porque o telespectador da classe mais baixa não tem a preocupação em ouvir o conteúdo da mensagem, o que ele quer é ser envolvido pela melodia das apresentações. Este tipo de recurso que Silvio Santos utiliza, essas expressões, essa forma de cantar, faz com que as pessoas se prendam, porque isso é que toca a emoção.'

Quais são os erros

Diante de apresentadores com tantos atributos, por que então se crítica tanto a programação, principalmente aos domingos? Para a professora de Análise do Discurso do Departamento de Neurolingüística da Unicamp, Eni Puccinelli Orlandi, o formato dos programas é que está comprometendo a qualidade. Para ela, há uma grande homogeneidade entre os apresentadores, apesar de cada um possuir algumas particularidades. “Eles poderiam usar essa capacidade de se relacionar com o público para fazer programas de boa qualidade.”
Por ser o dia em que o telespectador tem mais disponibilidade e, ao mesmo tempo, uma expectativa de preenchimento dessa necessidade de diversão, o domingo é considerado um dia privilegiado para os apresentadores. “Eles menosprezam a qualidade do público. As imagens oferecidas como diversão são avacalhadas, de baixo nível.”

Eni também lembra que, ainda que um programa esteja dando audiência não significa que seja bom. “O Ibope não mede o gosto das pessoas, ele está medindo o que não tem para ser oferecido. Aí se forma um círculo vicioso, não existe coragem de uma ruptura e apresentação de algo novo, diferente. As emissoras estão investindo no que é produtivo. Cada programa tem uma diferença, mas deixam no ar o mesmo tipo de apelo.”

Para a professora, a televisão é vítima da quantidade. “Ao invés de buscar novos elementos, de criar outras coisas, eles oferecem algo a mais. O telespectador público diferente, com possibilidades que não estão sendo trabalhadas.” (Agência Estado)

Raio-X

Veja abaixo o que Reinaldo Polito diz a respeito de outros apresentadores:

Ratinho
É um artista. Aquilo que ele faz é um show. Ele consegue, a partir dos acontecimentos, tornar tudo muito engraçado. Leve, inteligente, sacado. Fantástico comunicador.

Jô Soares
É o melhor entrevistador de toda a história da televisão. Sabe explorar todos os seus atributos - dança, canta, toca instrumentos, conta piadas, narra “causos” e entrevista pessoais simples ou famosas com a mesma naturalidade e desenvoltura.

Hebe
Ela poderia ser professora de comunicação. Brinca com o público, cutuca quem está em casa, agrada, trata bem os entrevistados. Comete alguns erros, algumas impropriedades, mas as pessoas não ligam para isso. Sabe dar ritmo e sente quando uma entrevista está cansado um pouco, mudando imediatamente.

Luciana Gimenez
Não tem conserto com relação aos erros gramaticais que comete. É um problema de formação que tem que se corrigir na base. A estratégia adotada por ela, que é a de brincar consigo mesma, fazer uma auto-gozação quando comete algum erro, aparentemente, pode tornar sua imagem um pouco mais agradável. Brincando com os próprios defeitos pode se projetar uma imagem positiva.

Adriane Galisteu
É muito ávida, precisaria passar um pouco mais de meiguice, de carinho. Ela procura fazer isso com os convidados, pelo menos, demonstra que está procurando fazer isso. Falta um pouquinho de espontaneidade.

Babi
Acolhe os entrevistados com muito carinho, com muita ternura.

Luciano Huck
Ele é inteligente, mas não tem nada de comunicador. Não tem nada de apresentador, mas alcançou o sucesso graças à estrutura que montou, apesar de sua limitação. Falta carisma. Ele demonstra que conhece bem os conjuntos, se enturma e o resultado é bom. Mérito dele porque não é fácil, com essa limitação toda, chegar aonde ele chegou.

Ana Maria Braga
Você tem a impressão de que ela está na sala de visitas da sua casa, então, o telespectador a acolhe como se fizesse parte da família, pois traz algumas receitinhas, contanto uns “causos”, fazendo umas piadinhas. Você quer ter uma pessoa agradável como ela em casa. Então ela leva a televisão para dentro da casa da pessoa. Esta é a grande qualidade. Inteligente, muito bem preparada e sabe tocar o coração das pessoas.

Silvia Poppovic
É contundente no momento em que precisa ser e deixa as pessoas à vontade quando precisam. Sabe jogar bem com isso. Consegue fazer uma pergunta agressiva que, às vezes, você gostaria de fazer. Ela enfrenta. Você vê nela uma figura forte, com personalidade, autoridade, compromisso com aquilo que está fazendo.

João Dória Junior
Hoje é um grande comunicador. Você assiste a uma entrevista dele, pensa no que gostaria de perguntar tal coisa e ele pergunta. Além disso, acompanha como ninguém o raciocínio do entrevistado e interfere.

Otávio Mesquita
Ele faz sucesso pela irreverência, pelo arrojo, pela coragem, pelas palhaçadas. É uma figura diferente na televisão.

 

maio de 2001