Curso de Expressão Verbal

Preste atenção aos gestos - Revista Nova Escola - abr/01

Preste atenção aos gestos
Roberta Bencini

A expressão corporal é um elemento de comunicação tão ou mais importante do que a fala no processo de aprendizagem


Quantas vezes você já perguntou para a classe se havia alguma dúvida e, apesar do silêncio indicar que não, as caras de interrogação denunciavam um 'sim'? Não se inquiete. A comunicação - inclusive dentro da sala de aula - é das coisas mais difíceis e complicadas que existem nas relações humanas. Duvida? Estudo realizado pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (Ucla) mostra que, numa apresentação, o maior impacto provocado no público vem da linguagem corporal: 55% contra 38% da voz.

Obviamente, o mesmo ocorre na escola. Todos nós emitimos sinais não-verbais de dúvida, impaciência, insegurança. 'É muito mais comum do que se imagina a incoerência entre o que falamos e o que nosso corpo diz', afirma o professor de expressão verbal Reinaldo Polito, autor de livros sobre o assunto. 'Sempre percebi que os alunos me davam respostas influenciadas por minha fisionomia e meus gestos', concorda Maria Aparecida Baracat, professora de Língua Portuguesa em Araçatuba, interior de São Paulo. Ela lembra, por exemplo, que tinha mania de passar as mãos na cabeça enquanto falava. Mas só percebeu isso quando foi imitada por estudantes numa peça de teatro.

Pode parecer apenas uma história curiosa ou engraçada, mas ela tem muito a ver com algo bem mais importante: a aprendizagem. 'Em casos assim, os ouvintes deixam de prestar atenção no conteúdo que está sendo transmitido e passam a reparar apenas nos tiques', explica Polito.

Ana Cristina Wey leciona na escola Projeto Vida, em São Paulo, e se deu conta da importância da postura corporal quando, depois de alguns anos de experiência com pré-escola, assumiu uma turma de 2ª série. 'Com os pequenos, eu me desdobrava para me fazer entender. Com os maiores, achei que deveria privilegiar a inteligência lingüística.' Ela logo descobriu que não basta. 'O gestual é fundamental com alunos de todas as idades.'

Preocupada com essa questão no seu dia-a-dia, Ana Cristina topou posar para Nova Escola e aparece nas fotos desta reportagem mostrando algumas das posturas mais inadequadas. Todas foram apontadas por Polito, que destaca: 'O problema é ficar muito tempo na mesma posição'. Por exemplo, na de professor-muralha, sentado durante toda a aula. A gesticulação das mãos fica restrita e o espaço do corpo, limitado. A voz, por mais que você movimente a cabeça, será projetada numa única direção. 'O ideal é se movimentar a cada 5 ou 6 minutos para não perder a atenção dos alunos', afirma o especialista.

A postura animal enjaulado é a de quem caminha de um lado para o outro da sala com a cabeça baixa, como se estivesse falando para si mesmo. O correto é se aproximar dos alunos. Assim eles se sentem importantes, prestam mais atenção e são instigados a participar. Ficar o tempo todo parado com os braços cruzados também é um erro. O professor deixa de utilizar as mãos, importante elemento na comunicação. Ele demonstra não estar à vontade e ter pouco interesse no que faz. Demonstra estar fechado e, em troca, pode ter de encarar uma turma desinteressada.

O tipo italiano é o que gesticula muito. Ao utilizar demais as mãos, as pernas e a cabeça e fazer caras e bocas, o professor se entusiasma, age só com a emoção e sem a razão. Muitas vezes, os estudantes não estão emocionalmente envolvidos com o assunto. O mestre corre o risco de virar um bobo-alegre.

Saber ouvir é outro mandamento. Colocar a mão sobre o queixo e o dedo indicador sobre a boca fechada quando outro fala demonstra divergência e pouca paciência. O professor-juiz está bloqueando as palavras e esperando a hora certa de se expressar. Da próxima vez que ele abrir espaço para a turma dar suas opiniões, poucos se manifestarão. A chave do sucesso é ouvir com atenção e não esconder que está acompanhando o raciocínio.

Os olhos são os principais responsáveis pela expressão do rosto. Através deles, você conversa com os alunos, percebe um sorriso, uma fisionomia alegre, triste, de dúvida ou de distância. Por isso, escrever na lousa e falar ao mesmo tempo durante um longo período denunciam o professor-costa. A garotada terá dificuldades para ouvi-lo e facilmente perderá a concentração e o interesse. Não fale para si mesmo. Olhe para a classe, articule bem as palavras, mire nos olhos de cada estudante.

Siga as sugestões. E melhore ainda mais seu desempenho. 'O sucesso do trabalho depende da coerência entre o pensar, o sentir e o expressar', conclui Marília Marinho, professora de Psicodrama da Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.