Curso de Expressão Verbal

Saraiva Mega Site

Você fez cursos no Exterior, aprendeu tudo o que podia sobre sua carreira e é o melhor profissional do mercado. Na hora de apresentar projetos, no entanto, o embaraço é completo e o seu rosto vai ficando pálido até que finalmente a voz engasga e não sai mais nada.
Pode parecer exagero, mas aos poucos os executivos do mundo inteiro têm percebido que boas idéias não servem de nada se você não souber como transmiti-las com segurança. De olho nessa necessidade, o economista Reinaldo Polito tem se mantido há muito tempo na lista dos dez autores mais vendidos da área de negócios com os best-sellers 'Como Falar Corretamente e Sem Inibições' e 'Assim é que se Fala' Há poucos dias, entre uma aula e outra da sua escola de oratória, Polito recebeu a reportagem de Saraiva.com.br e falou sobre seus livros e a técnica aplicada para uma boa comunicação.

Saraiva.com.br - O que determina uma boa comunicação?
Reinaldo Polito - Sem dúvida alguma a espontaneidade é um fator determinante na boa comunicação. As pessoas precisam falar com naturalidade, sem afetação e, principalmente, dominando o tema a ser apresentado.

Saraiva.com.br - Como o medo pode prejudicar uma apresentação?
Reinaldo Polito - O medo é o principal inimigo do bom comunicador. É comum ver pessoas que estavam bem preparadas para falar sobre determinado assunto, mas na hora 'H' perdem o controle da situação.

Saraiva.com.br - É possível notar quando uma pessoa está com medo?
Quais são os sintomas aparentes?
Reinaldo Polito - Basta ter um olhar um pouco mais atento e o medo das pessoas torna-se logo evidente. Uma pessoa temendo falar em público fica pálida, engole saliva excessivamente, coça a cabeça, fala encostado em paredes, com a voz abafada, quase que pedindo desculpas por ter que falar, além de muitos outros sintomas que cada indivíduo apresenta em maior ou menor quantidade. Já a pessoa que não tem medo e está bem preparada, fala alto e claro, se aproveita para brincar com situações inusitadas e sabe conduzir melhor o seu raciocínio.

Saraiva.com.br - O Sr. alguma vez teve medo no momento de uma apresentação?
Reinaldo Polito - Ao mesmo tempo que o medo acaba com uma apresentação, ele pode ser o maior aliado de um comunicador responsável. Se a pessoa sabe que tem medo, ela procura se preparar melhor. Eu costumo me aproveitar de uma frase do jornalista Osmar Santos que costumava dizer que 'no dia em que eu não sentir mais esse frio na barriga, é melhor eu me aposentar'. Eu também penso assim. A minha satisfação profissional também depende disso. Eu só posso falar do medo das pessoas porque eu sei o que é o medo e ele me mantém atento.

Saraiva.com.br - O que deve ser evitado em uma apresentação?
Reinaldo Polito - O principal ponto é falar com naturalidade. As pessoas costumam se apresentar querendo falar da mesma forma que escrevem, quando na realidade deveriam falar do jeito que conversam, evitando erros mais graves de português.
Não existe nada errado em dizer 'a gente' com o verbo no singular ao invés de 'nós', conjugando o verbo no plural. O fato é que se você não costuma falar dessa forma, a sua palestra perde a naturalidade e com isso perde também o mais importante que é a credibilidade. Outra coisa a ser evitada, principalmente se você não for um bom humorista, é tentar contar piadas no início de uma apresentação.
Você já imaginou como seria constrangedor iniciar sua palestra com uma piada que ninguém ri? Seria o fim.

Saraiva.com.br - Em que situações as pessoas podem aplicar os ensinamentos do livro?
Reinaldo Polito - Em praticamente tudo. A comunicação é aplicada em situações como pedido de emprego e aproximação de interesse pelo sexo oposto, só para começar.
No caso de pedir um emprego, seu currículo pode ser ótimo, mas se na hora de uma entrevista você decepciona, não haverá outra oportunidade para mostrar suas qualidades. Já para expressar sua admiração por uma mulher bonita, o importante é não fazer perguntas furadas. Tente conversar assuntos interessantes e seja você mesmo. Saber ouvir pode ser mais importante do que falar e, nessas horas, os tímidos também têm uma vantagem.

Saraiva.com.br - Como você classifica os seus livros?
Reinaldo Polito - Eu não sei definir exatamente, mas certamente não é um livro de auto-ajuda. As revistas e lojas costumam classificar minha obra como uma publicação de negócios ou não-ficção, mas isso realmente não faz diferença. O importante é auxiliar as pessoas a se expressarem melhor.

Saraiva.com.br - Fazer um curso de oratória é algo para constar no currículo ou é melhor guardar essa informação para poder exibi-la depois de contratado?
Reinaldo Polito - Não faz muito tempo, existia um preconceito muito grande sobre fazer um curso de oratória. Alguns executivos achavam que era uma vergonha demonstrar a necessidade de se fazer um curso de oratória. Hoje isso mudou e todos sabem o quanto é importante se expressar corretamente. Se você fez um bom curso de oratória, então escreva isto no seu currículo para demonstrar que você teve preocupação com um aspecto tão importante para sua carreira.