Curso de Expressão Verbal

Tribuna Impressa

Poesia da coerência 26.10.2008
Impressões Pessoais por Fernando Passos

Na última quinta-feira, vivemos na Biblioteca Municipal um evento emocionante. Muita gente reunida para o lançamento do livro “Fatos Rimados, Poemas de Vida”, de autoria de Yolanda Teixeira Monteiro, a estimada e carismática professora de Português. Muitos ex-alunos, colegas professores e admiradores ali se reuniram para, antes de conhecer o próprio livro, ouvir algumas palavras de ilustres convidados e da própria autora.

E assim começou ela própria a se referir a todos nós como poetas da vida; que a nossa vida é uma constante “caminhada poetizada sem mesmo escrever versos”. Anunciou as sonoridades em que vivemos na caminhada da vida e que tudo isso estaria refletido em seus Fatos Rimados. Foi uma vez mais humilde, a dividir com seus poetas ouvintes o talento que é dela e construído sobre uma sólida base cristã, que resultou numa cidadã completa em ética e ensinamento, tanto na família quanto na arte do exercício do magistério.

A seguir tivemos as sábias palavras do professor Jorge Cury, que contextualizou a poesia de sua ex-aluna Yolanda em adequada crítica literária, que merece ser publicada na íntegra. Envidarei esforços para que o façamos aqui em nossa Tribuna. A fala do professor Jorge Cury propiciou uma dimensão muito especial, preparatória para uma leitura mais eficiente e cuidadosa dos poemas da professora Yolanda, abrindo-nos a imaginação e aguçando nossa ânsia de saber.

Falou então o aluno ilustre, o maior professor de oratória do País, que é o araraquarense Reinaldo Polito, o idealizador da publicação do livro. Prof. Polito relembrou os ensinamentos recebidos da autora, que o acompanham em toda sua vasta vida literária. Seus livros são campeões de venda e estão traduzidos para o mundo todo. Mas o professor Polito foi além das simples lembranças, ousou construir também uma visão crítica da obra da professora Yolanda, que não está dissociada da própria vida efetivamente vivida por ela.

Lembrei-me, evidentemente, de Padre Vieira e de seu sermão da Sexagésima, em que acentua de forma admirável a força da palavra efetivamente vivida como expressão verdadeira da palavra escrita ou falada. De que valem as palavras se nossas vidas não as acompanham em coerência e decência?

Talvez por isso a professora Yolanda tenha colocado como subtítulo do livro a forte expressão “Poemas de Vida”. Tratando-se dela, poderíamos chamar “Poemas Vividos” ou “Poemas de Coerência”.

Tem esta senhora sete filhos, tendo lecionado para todos eles. O fez como exemplo máximo de dedicação, amor e empenho, externando aos mesmos lições de vida que brotavam da alma e do exemplo vivido. Termino reproduzindo parte de uma poesia em que Yolanda homenageia seus pais: “a fala errada de carinhoso teto, mãos calejadas de árvores da vida, figuras fortes de ânimo eterno, corações sustentadores do hoje e sempre”. Realmente maravilhoso.