Curso de Expressão Verbal

Um jeito bom de falar bem

Apresentação e Sinopse

Cada página se constitui em um roteiro seguro para que o leitor possa falar bem:

  • nas reuniões;
  • nas conversas sociais e de negócios, sempre de maneira agradável, objetiva e envolvente;
  • nas apresentações de projetos, produtos e serviços, expressando-se com segurança e desembaraço;
  • nas negociações, evitando confrontos e hostilidades, para que sua causa seja sempre vitoriosa;
  • nas exposições de trabalhos escolares, valorizando as monografias, dissertações de mestrado e teses de doutorado;
  • nos elevadores, desenvolvendo habilidade para ser comunicativo em pouco tempo, em locais que podem gerar constrangimentos;
  • nas entrevistas para o rádio e televisão, mostrando uma presença desembaraçada e consistente;
  • nos restaurantes, com amigos ou parceiros de negócio;
  • nos agradecimentos de prêmios e homenagens;

enfim, onde for preciso usar a palavra, desde os momentos mais íntimos e descontraídos até as situações profissionais, cercadas de maior formalidade.

Além de orientar o leitor sobre como se comportar em circunstâncias específicas, como essas que acabamos de observar, os diferentes capítulos o acompanharão passo a passo para que identifique as sutilezas que fazem a diferença entre a comunicação deficiente e as apresentações vencedoras, de grande sucesso. O leitor ficará muito surpreso ao descobrir que é possível aprender a falar melhor com pessoas que, de maneira geral, são rotuladas como péssimas comunicadoras, como por exemplo o jogador de futebol e o homem simples do campo.
Saberá que a boa comunicação não depende apenas de um sólido e bem alicerçado conteúdo, mas também de uma espécie de espetáculo, que tornará suas apresentações irresistíveis, e que esses ensinamentos podem ser obtidos a partir de antigas técnicas utilizadas pelos camelôs e de outros profissionais que usam a comunicação como meio permanente de sobrevivência.
 
E mais, aprenderá por que os maiores apresentadores da televisão fazem tanto sucesso, quais são seus segredos, e como explorar as melhores técnicas de comunicação de cada um. 
Sem complicações, encontrará formas simples e divertidas para evitar os erros de gramática mais comuns que as pessoas cometem quando falam.
Para evitar gafes e se comportar bem em situações embaraçosas, o leitor terá informações sobre como não falar, isto é, o que não dizer ou não fazer em conversas, relacionamentos pessoais e apresentações; e terá dicas práticas e seguras de como sair, sem sequelas, de uma saia justa nas mais diferentes situações, como aquelas em que é convidado para falar de improviso diante de uma grande plateia , ou quando no meio da exposição dá o branco e as ideias desaparecem ou nas ocasiões em que pifa o equipamento de projeção, ou aparece um engraçadinho no auditório querendo hostilizá-lo. 
Os capítulos foram planejados para que o leitor aprenda a desenvolver todos os aspectos da comunicação. Assim, terá uma aula completa para saber como melhorar a habilidade de ouvir, para que possa ampliar a linha de argumentação e aumentar as chances de persuadir e convencer; outra que o irá preparar para responder com eficiência às perguntas da plateia, mesmo nas ocasiões em que não tenha tanto conhecimento sobre o assunto. 
Descobrirá também que para ser um bom comunicador não precisará necessariamente falar muito, ao contrário, em determinadas circunstâncias a objetividade será a regra mais adequada. 
E atenção. Quando tiver aprendido bem todas as regras da boa comunicação, você verificará que muitas delas poderão ser quebradas, pois, por melhores que possam parecer, sempre deverão servir para ajudá-lo na busca das vitórias e do sucesso. Jamais para escravizá-lo ou limitar suas ações. 
Todas as dicas importantes, semeadas ao longo dos mais de 20 capítulos, foram também reunidas no final, para possibilitar uma consulta rápida e segura. O autor procurou escrever da mesma maneira como fala para os alunos em sala de aula, com a certeza de que assim os conceitos seriam rapidamente compreendidos. 
O leitor descobrirá a cada página que as regras para falar são muito fáceis e naturais e que às vezes, sem Ter consciência já as utiliza.
Resultado de exaustivas pesquisas, esta obra apresenta um texto sempre leve, agradável e divertido. 
O leitor verá como pode ser estimulante e simples combater o medo de falar e aplicar as regras de comunicação que realmente funcionam.
No final do livro há alguns testes referentes a temas abordados em alguns capítulos para que o leitor possa avaliar seu nível de comunicação e saber o que já está fazendo de maneira correta e o que ainda precisa ser melhorado. 
Há também uma relação de alguns sites que poderão servir como campo de estudo e análise a partir da comunicação de pessoas públicas que usam a palavra nas mais diferentes atividades profissionais.
Finalmente, um índice remissivo permite a localização dos diversos capítulos em que os temas são abordados.

 

Resenha

Resenha do livro Um jeito bom de falar bem. Como vencer na comunicação. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2001. Prefácio de Max Gehringer. Ilustrações de Xavier. 216 p.
 
Elaborada por Liana Gottlieb - Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, pedagoga, psicodramatista, consultora organizacional, docente no programa de pós-graduação da Faculdade Cásper Líbero.

Faz exatamente um ano que ganhei este ótimo livro, Um jeito bom de falar bem. Como vencer na comunicação, escrito por Reinaldo Polito. Trata-se da 3ª edição no mesmo ano, de 2001. Contrariamente ao que ocorre, em geral, com os livros que se tornam best sellers só em vendas, os livros do Polito são tanto best sellers em vendas quanto em leitura. Passam a nos acompanhar e a ser manuseados constantemente, quando precisamos de um reforço ao bater aquelas inseguranças tão familiares a professores, palestrantes e a todos que necessitam se apresentar perante uma sala de aula ou uma plateia.

Mesmo tendo se passado um ano, recorri a ele algumas vezes neste espaço de tempo, e o adotei como bibliografia nas disciplinas que ministro na formação de professores universitários e nos treinamentos que faço com profissionais das mais diversas áreas. Resolvi, então, falar deste livro.
Falo do lugar de professora que ajuda profissionais a se tornarem professores universitários, e de consultora que ajuda pessoas a se desenvolverem em seus papéis profissionais.
A editora Saraiva acertou em dar espaço e voz a quem sabe tão bem se comunicar e, mais ainda, a quem sabe ensinar, de forma leve, bem humorada, séria e humana, a nos tornarmos bons comunicadores.
Este livro pode ser lido e vivido como um curso não-presencial, com uma diferença: a linguagem coloquial, bem humorada, intimista com que Polito se expressa dá a sensação de que ele está na nossa frente. Conhecendo-o, como eu o conheço - ele fez o mestrado na Cásper Líbero -, confirmo que ele escreve do jeito que fala, com simplicidade, delicadeza e elegância. No convívio pessoal é uma pessoa generosa, que se doa para os outros, e faz o mesmo em seus livros. É um modelo de especialista acolhedor, que nos ajuda na aceitação de nossas dificuldades e na superação das mesmas. Um exemplo desse movimento em direção ao leitor, neste livro, é a sua preocupação em elaborar uma relação de alguns sites que servem 'como campo de estudo e análise a partir da comunicação de pessoas públicas que usam a palavra nas mais diferentes atividades profissionais'.

Polito preocupou-se também em fazer um índice remissivo. Quem escreve sabe o trabalho que dá, e como ajuda a 'localizar os diversos capítulos em que os temas são abordados'.
Antes dos sites cada leitor pode 'avaliar seu nível de comunicação e saber o que já está fazendo de maneira correta e o que ainda precisa ser melhorado', nos testes 'Veja se você é bom de conversa', 'Analise sua capacidade de ouvir', Você sabe como tratar as perguntas dos ouvintes?' e 'Você conhece o suficiente sua habilidade de falar em público?'. Sugiro que o leitor faça os testes antes e depois de ler o livro. Terá mais uma grata surpresa ao perceber o quanto mudamos com a leitura.
As charges de Xavier tornam o livro mais leve e engraçado.
O prefácio de Max Gehringer abre o livro com chave de ouro. Ele ressalta com propriedade 'o feito do Polito de ser tão lido num país de tão poucos leitores'. Atribui tal façanha ao fato do Polito 'saber falar e saber escrever', e saber 'como' juntar as duas coisas e 'começar a dissolver as incertezas que afligem aquela multidão de pessoas que, um dia, se veem diante de uma plateia e não têm lá muita noção do que fazer'. A seu ver, o 'Polito sabe como, mas também sabe quando e por quê'. Gehringer diz que 'cada texto traz uma daquelas dicas que a gente lê e imediatamente se auto acusa: 'Opa, isso é exatamente o que eu não faço!'. Mas há um consolo e um alívio: é melhor descobrir 'isso' antes - lendo o livro - do que depois - numa dinâmica de grupo, diante de uma audiência ou durante uma entrevista'.

O livro reúne artigos mensais publicados na revista VENCER!. Como pesquisadora costumo guardar em pastas os artigos que me interessam. Com o tempo eles amarelam e é incômodo lê-los nas pastas dentro de sacos plásticos. Vejo com bons olhos a transformação de ótimos artigos em um compêndio que nos facilita relê-los sempre que for preciso.
Ao longo de 23 capítulos Polito nos ensina como falar com eficiência em praticamente todas as circunstâncias.
Cada capítulo contém um roteiro seguro para que possamos falar bem, de maneira agradável, objetiva e envolvente, expressando-nos com segurança e desembaraço, evitando confrontos e hostilidades, desenvolvendo habilidade para sermos comunicativos em pouco tempo, em locais que podem gerar constrangimentos, mostrando uma presença desembaraçada e consistente em reuniões, em conversas sociais, em conversas de negócios, nas apresentações de projetos, produtos e serviços, em negociações, nas exposições de trabalhos acadêmicos, valorizando monografias, dissertações de mestrado e teses de doutorado, nos elevadores, nas entrevistas para rádio e televisão, nos restaurantes, com amigos ou parceiros de negócios, nos agradecimentos de prêmios e homenagens, enfim, um roteiro com regras adequadas para as ocasiões em que possamos precisar usar a palavra, desde os momentos mais espontâneos e descontraídos até as situações profissionais cercadas de maior formalidade.

Ao longo do livro vamos nos surpreendendo, por exemplo, ao descobrir que é possível aprender a falar melhor com aquelas pessoas taxadas como péssimas comunicadoras como por exemplo o jogador de futebol e o homem do campo. As técnicas antigas utilizadas pelos camelôs e outras pessoas que se utilizam da comunicação para sobreviver são tomadas como ponto de partida para alguns ensinamentos.
Polito também se refere aos maiores apresentadores da televisão explicando o porquê de seu grande sucesso, seus segredos e as suas técnicas de comunicação.
Um capítulo primoroso, delicioso e fundamental é o: 'Você também comete estes erros? - Saiba quais são os erros mais comuns que as pessoas cometem quando falam'. Este capítulo deveria ser 'decorado' pelos leitores e socializado com amigos. Trata-se de um alerta para os cuidados que devemos ter com a nossa língua, tão maltratada e ignorada.
Outro capítulo que também deveria ser memorizado para evitar gafes é: 'Os gestos falam mais do que você imagina. Como entender melhor o significado dos gestos no mundo globalizado'. Eu o considero uma preciosa contribuição para a educação intercultural e voltada para a paz.
Bem, eu poderia ficar falando de cada capítulo ou detalhe, como tenho feito em minhas exposições, mas prefiro recomendá-lo, novamente, como 'livro de cabeceira'. Obrigada, Polito. Eu me diverti e estou aproveitando cada página do livro com seus sábios conselhos e dicas.

 


 

O Estado de São Paulo
2002

 
Um jeito bom de falar bem (Saraiva, 216 páginas, tel. 0--11 3613-3308) é o recente lançamento do especialista em expressão verbal, Reinaldo Polito. O livro constitui-se num roteiro seguro para que o leitor possa falar bem em praticamente todas as circunstâncias. De acordo com o autor, a boa comunicação não depende apenas de um sólido conteúdo, mas também de uma espécie de espetáculo, que tornará suas apresentações irresistíveis.

 

Prefácio

Como fazer o leitor se interessar pelo prefácio?

Não há como negar: nossa vida foi invadida pelo como. Essa inflação de como, que um dia foi o reflexo de nossa curiosidade, hoje escancara a necessidade que temos de aprender cada vez mais sobre nós mesmos e sobre o mundo que nos rodeia. Já não conseguimos mais passar nem meia hora sem apelar para um deles, mesmo sem perceber. E há como para todos os propósitos e ocasiões. Os de lamentação (Como é que uma coisa dessas foi acontecer comigo?), os de dúvida (Como assim???), os redundantes (Como é que é? Então você não vai pagar o que me deve??) e até os tecnológicos (Salvar Como). Devagarinho, e sem alarde, eles foram se tornando nossos aliados e nossas muletas.
Mas também é verdade que - assim como ocorre na vida profissional - a concorrência não está fácil. Por isso, são raros os como que ficam famosos. No mercado literário, só um deles conseguiu atingir aquele patamar a que todo como ambiciona chegar um dia: o Como falar corretamente e sem inibições, livro do Reinaldo Polito, um fenômeno que já está batendo na centésima edição. Ele é o orgulho da família como, de origem latina, que há séculos faz parte do nosso vocabulário e hoje é tratado com a maior falta de cerimônia em nossos papos diários.

Como o Polito conseguiu isso?

Bom, primeiro o Polito sabe falar. Depois, ele sabe escrever. Mas, principalmente, ele soube 'como' juntar as duas coisas, e aí começou a dissolver as incertezas que afligem aquela multidão de pessoas que, um dia, se veem diante de uma plateia e não têm lá muita noção do que fazer. Botar a mão no bolso? Cruzar os braços? Falar o mais rápido possível e sair correndo para bem longe? O Polito sabe como, mas também sabe quando e por quê.
Mas não comece a se preocupar antes do tempo. Se você tem um par de coisinhas que precisa corrigir, saiba que há zilhões de pessoas na mesma situação. E não é de hoje. Quando conseguiu esticar a laringe e passou a emitir sons em formas de sílabas, formando palavras e construindo frases inteligíveis, o ser humano imaginou que só com isso conseguiria se comunicar adequadamente pela eternidade afora. Mas logo começaram a aparecer os primeiros problemas:
- Grrunf!
Há quarenta mil anos, isso significava 'Como você se atreve a falar comigo dessa maneira, seu troglodita?'. Foi o começo de um longo aprendizado, que envolveu o tom da voz, as pausas estratégicas, o gestual adequado e mais uma série enorme de empecilhos, tanto que chegamos aonde chegamos: saber falar qualquer um sabe; mas 'como' falar é uma arte dominada por poucos. Exatamente aqueles poucos que chegam aonde todo mundo gostaria de chegar: aos degraus mais altos da escala social ou profissional. Há exceções, é claro: ainda tem chefe por aí que fala 'Grrunf!', mas é uma minoria em extinção.
A verdade é que esse tema nunca se esgota. A imprensa em geral - e os colegas chatos em particular - fica de tocaia esperando uma escorregadela no como, aquela bobagem que escapa e que no dia seguinte sairá nos jornais ou virará piada no escritório. Todos nós somos mais lembrados pelos deslizes ocasionais do que pelos acertos costumeiros, e, num universo corporativo onde qualquer falha parece cada vez mais imperdoável, a maneira mais comum de cometer erros - falando - deve ser administrada como se administra a poupança: com parcimônia. Com a vantagem de que, no caso da retórica, o Governo não muda as regras todos os dias.

Como já dizia...

...o artista Frank Hubbard: 'O pior orador é o que começa um discurso dizendo 'Não tenho palavras', e depois leva duas horas para provar que não tinha mesmo'. Como escapar de armadilhas como essa é exatamente o que o Polito explica nas duzentas páginas seguintes. O arsenal dele parece inesgotável, tanto que - como você verá - o tema do livro não é 'falar bem', mas 'expressão verbal'. E essa forma de se exprimir vai muito além, mas muito mesmo, de só abrir a boca e soltar a voz. Cada texto traz uma daquelas dicas que a gente lê e imediatamente se auto acusa: 'Opa, isso é exatamente o que eu não faço!'. Mas há um consolo e um alívio: é melhor descobrir 'isso' antes - lendo o livro - do que depois - numa dinâmica de grupo, diante de uma audiência ou durante uma entrevista. O objetivo é simples: vencer. Porque hoje em dia quem joga pelo empate - 'Em expressão verbal, eu sou como todo mundo, mais ou menos' - já entra na arena derrotado.
O outro lado da moeda é que o reconhecimento público - e sua manifestação mais saborosa, o aplauso - é um daqueles momentos em que a gente acha que tudo o que fez valeu a pena. É para que esses momentos mágicos cheguem mais rápido que os conselhos do Polito são úteis.
E como! 

Max Gehringer

Imprensa

Jornal O Diário - Barretos
05/02/2002
 
O autor aborda os mais complexos temas da comunicação de maneira bem-humorada. Falar de improviso, responder às perguntas da plateia, conversar com desembaraço, vencer o medo de falar em público, sair de uma 'saia justa', persuadir e convencer transformam-se em aprendizado simples e estimulante.

 


 

Jornal Diário Oficial do Estado de SP
29/09/2001
 
Um jeito bom de falar bem - Como vencer na comunicação
De maneira bem humorada, o autor, especialista em comunicação oral, aborda os mais complexos temas da comunicação. Reinaldo Polito trata dos principais problemas que todo profissional enfrenta, como falar de improviso, conversar com desembaraço, vencer o medo de falar em público, sair de uma 'saia justa', persuadir e convencer. O autor é mestre em Ciências da Comunicação e autor de 11 livros, entre eles os best sellers Como Falar Corretamente e Sem Inibições e Gestos e Postura para Falar Melhor.

 


 

Jornal O Diário - Barretos
29/09/2001
 
Um jeito bom de falar bem
Com muito bom humor, Reinaldo Polito aborda situações complexas que envolvem a comunicação e ensina o leitor a lidar com cada uma delas, como por exemplo, responder às questões da plateia durante uma palestra e falar de improviso.

 


 

Jornal Hoje em Dia - Belo Horizonte
14/09/2001
 
Um jeito bom de falar bem
Um roteiro apresentado como seguro para que o leitor possa falar bem em praticamente todas as circunstâncias. Este é o tema de Um Jeito Bom de Falar Bem de Reinaldo Polito - Editora Saraiva

 


 

Revista Marketing - São Paulo
Setembro/2001
 
Roteiro para boa comunicação
É dever de todo profissional de comunicação saber se expressar. Foi pensando nisso que Reinaldo Polito, especialista em expressão verbal, escreveu este livro. De leitura fácil e dinâmica, a obra tem um roteiro para que o leitor possa falar melhor em público. Mostrando as técnicas utilizadas por grandes apresentadores de televisão, o livro ensina como evitar as gafes e os erros mais comuns de gramática, além de como se sair bem de situações embaraçosas. O lançamento conta ainda com dicas, testes e ilustrações do cartunista Xavier.

 


 

Jornal do Comércio - Porto Alegre
31/08/2001
 
Lançamentos - Um jeito bom de falar bem
Como vencer na comunicação, do conhecido professor Reinaldo Polito, ensina o leitor a se comunicar em reuniões; conversas sociais e de negócios; apresentação de projetos, produtos e serviços; negociações; elevadores; entrevistas para o rádio e a televisão, almoços de negócios; agradecimento de prêmios e homenagens e em outras situações. Com sua grande e exitosa experiência, Polito mostra ao leitor como perder o medo de falar em público e dá dicas preciosas para uma boa comunicação, citando exemplos de grandes comunicadores e, no final, apresentando um teste para os leitores avaliarem como se expressam.

 


 

Revista Tudo - São Paulo
31/08/2001
 
Você sabe se comunicar?
Se você se enrola todo durante uma apresentação em público, uma boa dica é o livro Um Jeito Bom de Falar Bem - Como Vencer na Comunicação (Editora Saraiva), de Reinaldo Polito, especialista em expressão verbal. Sem complicações, o autor ensina, de um jeito bem-humorado e divertido, como falar de maneira correta e eficiente nas exposições de trabalhos escolares e teses, nas apresentações de projetos, produtos e serviços e em reuniões profissionais. Não importa onde ou o que precise falar, todos são capazes de se soltar e apresentar suas ideias de forma clara e interessante.

Confira as dicas do especialista:

Fale com a maior naturalidade possível, como se estivesse conversando com velhos amigos, num lugar informal. 
Nunca confie na sua memória, faça sempre um bom roteiro de apoio para o caso de esquecer de algum fato ou palavra importante 
Treine a sua apresentação várias vezes. Se o nervosismo aparecer, respire fundo e com calma e procure se movimentar um pouco sem pressa 
Organize as diversas etapas da apresentação para que o assunto seja exposto de maneira lógica e clara, com começo, meio e fim. Faça pausas rápidas para que o assunto não se torne chato 
Fale num tom de voz adequado ao meio ambiente. Nem muito alto nem baixo 
Faça uma pesquisa em livros e revistas especializadas sobre o tema da reunião ou apresentação. Quanto mais informações conseguir, mais seguro se sentirá ao expor suas ideias aos ouvintes.

 


 

Jornal Gazeta da Zona Norte - São Paulo
25/08/2001
 
Um jeito bom de falar bem - Como vencer na comunicação
Do especialista em expressão verbal Reinaldo Polito, deixará o leitor surpreso ao descobrir que é possível aprender a falar melhor com pessoas que, de maneira geral, são rotuladas.

 


 

Jornal Gazeta da Zona Norte - São Paulo
25/08/2001
 
Um Jeito Bom de Falar Bem - Como Vencer na Comunicação (editora saraiva) do especialista em expressão verbal Reinaldo Polito, deixará o leitor surpreso ao descobrir que é possível aprender a falar melhor com pessoas que, de maneira geral, são rotuladas como péssimas comunicadoras, como por exemplo o jogador e o homem simples do campo. A obra traz testes para o leitor avaliar seu nível de comunicação e saber o que já está fazendo de maneira correta e o que ainda precisa ser melhorado. O livro traz também uma relação de sites que poderão servir como campo de estudo e análise a partir da comunicação de pessoas públicas que usam a palavra nas mais diferentes atividades profissionais.

 


 

Jornal da cidade - Bauru
16/08/2001
 
Um jeito bom de falar bem - Reinaldo Polito
Segundo o autor 'o pior orador é o que começa o discurso dizendo 'não tenho palavras''. Polito explica como escapar de armadilhas como essa.

 


 


Jornal da AFPCESP (Polícia Civil)
 
Um jeito bom de falar bem - Como vencer na comunicação


Um jeito bom de falar bem é o mais novo lançamento do especialista em expressão verbal Reinaldo Polito. Editado pela Saraiva o livro se constitui em um roteiro seguro para que o leitor possa falar bem em praticamente todas as circunstâncias: nas reuniões; nas conversas sociais e de negócios; nas apresentação de projetos, produtos e serviços; nas negociações, evitando confrontos e hostilidades.