< Página Anterior

04 abr 2018

Chega de dizer “né?”

Alguns vícios se tornam tão desagradáveis na comunicação que podem prejudicar e até comprometer o resultado da mensagem. Um dos mais comuns e também dos mais irritantes é o “né?”.

Se você for daqueles que dizem “né?” com freqüência no final das frases, talvez esteja prejudicando o resultado de suas conversas sociais e de negócios e até de suas apresentações diante das platéias.

Embora o “né?” seja o vício de maior destaque, ele é apenas um dos componentes de um time de chatos bastante familiares como “tá?”, “ok?”, “percebe?”, “entendeu?”, “tá certo?” e tantos outros.

Por isso, ainda que eu me refira apenas ao “né?”, saiba que as considerações podem ser aplicadas a todos eles. Veja como esse vício se intromete na comunicação e o que fazer para eliminá-lo.

O “né?” vai se infiltrando de forma tão sorrateira que você passa a usá-lo sem perceber. Alguns alunos do meu curso ficam surpresos quando percebem na gravação dos seus exercícios que em dois minutos usaram mais de uma dezena de “né?”.

Portanto, o primeiro passo para afastá-lo da sua comunicação é ter consciência da existência dele. Ao se dar conta de que o “né?” participa ativamente de suas conversas irá se sentir desconfortável que tenderá a evitá-lo.

No início, como o uso do “né?” é inconsciente, você terá alguma dificuldade para eliminá-lo de uma vez. É possível que fique revoltado por se sentir impotente para retirá-lo da sua comunicação.

Com o tempo, entretanto, você aumentará o controle e passará a reduzir a incidência até chegar a um número tolerável de dois ou três em uma conversa ou apresentação, o que até faz parte da forma natural de se expressar.

Para saber se o “né?” é um problema em sua comunicação, quando estiver falando ao telefone use um gravador de áudio comum para gravar sua conversa.

Deixe o aparelho gravando o tempo todo para que possa falar com naturalidade, sem se incomodar com ele. Talvez se surpreenda com o resultado e seja um dos candidatos a trabalhar para afastar o né? da comunicação.

Outro motivo para o surgimento do “né?” é a insegurança. Minhas pesquisas junto aos alunos do nosso curso de oratória mostram que este é o motivo mais forte para a presença desse vício.

Quando uma pessoa está insegura, de maneira geral, precisa de um retorno positivo dos interlocutores ou da platéia, e fala como se estivesse perguntando:

Estou sendo claro, né? Estou falando bem, né? Vocês estão entendendo, né?

Ainda que esteja inseguro, não revele esse fato aos ouvintes. Fale sempre como se tivesse certeza e estivesse convicto da sua mensagem e se expresse afirmando e não perguntando.

Fique atento – se perceber que o tom e inflexão da voz no final das frases são de quem faz uma pergunta mude a maneira de falar e conclua a informação como se estivesse afirmando. A não ser, evidentemente, que o seu objetivo seja mesmo o de perguntar.

Trabalhe com afinco para combater esse vício e fique sempre vigilante, pois se negligenciar, ele reaparecerá nos momentos em que se sentir mais inseguro e vulnerável. Por isso, não vacile, fique sempre muito vigilante.

Superdicas da semana:

– Grave suas conversas ao telefone para verificar se possui o vício do “né?”

– Se o “né?” insistir em permanecer não desanime, com o tempo ele desaparecerá.

– Use a entonação de quem afirma quando desejar afirmar, não de quem pergunta.

– Nem sempre o “né?” é um vício, às vezes verifica a compreensão do interlocutor.

 

Entre no meu site (https://reinaldopolito.com.br/portugues/dicas.php?id_nivel=15) para ver outras dicas de comunicação

 

Livros de minha autoria que tratam desse tema: “Como falar corretamente e sem inibições”, “Seja um ótimo orador” e “Superdicas para falar bem” (também em audiolivro), publicados pela Editora Saraiva.

 

Atenção – Nesta segunda, às 21h, entrevisto o Dr. Içami Tiba no meu programa de televisão – Falando com Polito. É na SKY, JBN TV, canal 150.

Integer ultrices pulvinar sem et lacinia. Mauris sed magna nibh. Suspendisse vestibulum dui libero, sit amet feugiat velit iaculis vel. Aliquam fermentum id ipsum congue facilisis. Aliquam ac nisl diam. Praesent ac euismod diam. Duis nec lorem efficitur, malesuada orci at, dictum libero. Mauris congue suscipit dolor, id auctor ligula lobortis a.

Deixe uma resposta

AULA DE APRESENTAÇÃO GRATUITA