< Página Anterior

03 jul 2018

Faça do vocativo uma das suas marcas na oratória política

Tudo precisa ser aproveitado – e muito bem aproveitado, por isso
não faça nada ao acaso quando se trata da conquista do voto do eleitor.
Você já tem o seu vocativo? Você já decidiu como é que vai cumprimentar os eleitores no início dos pequenos e dos grandes comícios?
A maneira como cumprimentar o público no início das apresentações poderá se transformar numa poderosa marca de identificação para ajudar na projeção da sua imagem. Quando as pessoas se acostumarem com o seu cumprimento sempre que ouvirem seus discursos saberão que é você que está falando e passarão a criar uma identidade com a sua imagem.

Para que possamos entender melhor a força do vocativo podemos compará-lo com algumas frases usadas por humoristas da televisão que caem no gosto das pessoas, que passam a assistir aos programas às vezes só para ouvirem a frase, como por exemplo: “Oh coitado!” da personagem Filó, interpretada pela Gorete Milagres e “Mas o salário ó” do Professor Raimundo, interpretado pelo Chico Anísio.

Na história da política brasileira tivemos vocativos que produziram imagens tão fortes que se perpetuaram.
Um dos mais famosos pertence a Getúlio Vargas, que mudava apenas o nome da cidade ou do estado onde se apresentava e cumprimentava as pessoas sempre da mesma maneira: Povo da Paraíba! Trabalhadores do Brasil!; Povo de São Paulo! Trabalhadores do Brasil!

Pouco depois tivemos Adhemar de Barros que cumprimentava as pessoas usando a expressão “patrícios”, e que se transformou numa importante marca nas suas apresentações.
Mais recentemente dois presidentes da república usaram vocativos que ajudaram a marcar suas apresentações – José Sarney e Fernando Collor de Melo.
José Sarney iniciava sempre com Brasileiras e brasileiros. Foi uma atitude criativa e muito apropriada, pois é evidente que, se ele dissesse apenas “brasileiros”, as “brasileiras” também já estariam naturalmente incluídas, mas o fato de mencioná-las de forma expressa indicava que as mulheres eram importantes no seu governo, e demonstrava de maneira clara essa intenção ao destacá-las nos seus cumprimentos, ao iniciar os discursos.
Fernando Collor, por sua vez, iniciava as suas apresentações com um vocativo que também o identificou – “Minha gente”.

Esses são alguns exemplos de políticos que se projetaram pela maneira de se expressar e fizeram do vocativo um ponto de identificação com as pessoas. Reflita bastante e troque idéias com seus assessores para encontrar o seu vocativo e passe a cumprimentar as pessoas sempre da mesma maneira. Cuidado, porque depois de algum tempo você poderá começar a ficar constrangido por usar sempre o mesmo vocativo – resista e continue como se o usasse pela primeira vez.

Observe também que em cidades pequenas não ficaria bem usar expressões como “brasileiros”, “trabalhadores deste país”, etc. – procure sempre um cumprimento apropriado para a localidade.
Se você usou um vocativo marcante no passado e a sua imagem de político, por intrigas, injustiças, ou não, ficou muito desgastada e você está trabalhando duro para recuperá-la, mude com urgência a maneira de cumprimentar as pessoas, pois o velho vocativo sempre poderá associar a sua imagem com a daquele político que você representou e agora quer esquecer.

O vocativo faz parte da introdução da fala, que é o momento em que devemos nos dedicar para conquistar os ouvintes. Segundo Cícero – “É a oração que serve para motivar o ânimo do ouvinte a receber bem o restante da fala”.
O vocativo fazendo parte da introdução e esta tendo o objetivo de conquistar os ouvintes, precisa ir mesmo nesta direção. Por isso ao cumprimentar faça-o como se estivesse diante de um amigo muito querido, com o mesmo carinho, a mesma atenção e o mesmo entusiasmo. Não cumprimente como se fosse apenas uma formalidade, como se fosse uma obrigação. Assim estará transformando sua platéia num grupo de amigos e as pessoas terão mais interesse em ouvi-lo. Verifique também como é que os adversários estão cumprimentando as pessoas para não repetir a fórmula e não cair no lugar comum.

Escolha bem o vocativo. Ele é o primeiro passo no seu discurso e pode ser um dos primeiros na sua campanha, que espero seja vitoriosa.

Reinaldo Polito
nº 5

Esses e outros conceitos são desenvolvidos no curso de expressão verbal ministrado pelo Professor Reinaldo Polito.
Escolha o mais apropriado para você – Cursos
“Terminantemente proibida a reprodução sem autorização expressa do autor”

Integer ultrices pulvinar sem et lacinia. Mauris sed magna nibh. Suspendisse vestibulum dui libero, sit amet feugiat velit iaculis vel. Aliquam fermentum id ipsum congue facilisis. Aliquam ac nisl diam. Praesent ac euismod diam. Duis nec lorem efficitur, malesuada orci at, dictum libero. Mauris congue suscipit dolor, id auctor ligula lobortis a.

Deixe uma resposta

AULA DE APRESENTAÇÃO GRATUITA