< Página Anterior

04 abr 2018

Há milonga nessa história das livrarias

A partir desta semana a história dos livros, das livrarias e da leitura em nosso país passa a ser contada de uma forma totalmente distinta. Provavelmente, com a compra da Siciliano pela Saraiva a educação no Brasil seguirá um rumo diferente, e, esperamos, muito mais promissor.

Por R$ 60 milhões a Saraiva que possuía 36 lojas em sua rede de livrarias ficou com mais 63, totalizando agora 99 lojas. Um império que chega a assustar muitas editoras, já que deverão se confrontar com um forte e, até então, desconhecido poder de barganha.

O lado positivo da questão é que uma organização desse porte só sobrevive se o país tiver muitos leitores. E pessoas começam a ler ou aumentam a quantidade de obras lidas se forem estimuladas, incentivadas e seduzidas a se aproximar dos livros.

Para a arte de falar em público a notícia não poderia ser mais alvissareira. Comunicação de qualidade pressupõe conteúdo e conhecimento. E um dos meios mais eficientes para se obter esses ingredientes fundamentais à estruturação da boa mensagem é a leitura.

Há pouco tempo a CBL (Câmara Brasileira do Livro) pediu que eu escrevesse um texto para falar sobre o mercado de livros no Brasil. Além de me dedicar à pesquisa sobre o tema em nosso país, aproveitei para incluir os argentinos na conversa. Vamos aos pontos e contrapontos.

Os argentinos se vestem melhor que os brasileiros – concordo. Produzem vinhos de qualidade superior aos nossos – concordo. Los hermanos têm mais librerias que nosotros – não concordo. Não? Ué, mas sempre disseram que na Argentina havia mais livrarias que no Brasil!

 

Pois é, jogaram essa milonga e nós a engolimos sem pesquisar os fatos. Não só não tem, como a diferença a nosso favor é quase a mesma que temos com o número de campeonatos mundiais de futebol.

Adoro a Argentina e os argentinos. Perdi a conta de quantas vezes aterrissei em Buenos Aires. Passear a pé por suas calles é sempre um prazer indescritível. Entretanto, essa história sobre o número de livrarias precisa ser contada direitinho.

 

Segundo levantamento da Associação Nacional de Livrarias (ANL), realizado com o apoio da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), que está saindo agora do forno, temos hoje no Brasil 2.767 livrarias. Desse total, 50% estão em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Da outra metade, 35% estão nas regiões Sul e Nordeste.

As informações sobre o número recente de livrarias na Argentina são escassas e divergentes, mas, pelas publicações que li na imprensa dos próprios argentinos, com o fechamento recente de inúmeros pontos-de-venda, estão beirando mil.

 

Ou seja, a goleada a nosso favor é de mais ou menos duas vezes e meia. Antes que você empunhe a bandeira e comece a comemorar na Avenida Paulista com o grito de “ééé campeããão, ééé campeããão”, há outros pontos que precisam ser esclarecidos.

 

São quesitos negativos para o Brasil que, diante dos argentinos, nos obrigam a meter o rabo entre as pernas e ficar meio corados.

 

A recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU) é que o número ideal de livrarias seja de uma para cada 10 mil habitantes. Nem os norte-americanos chegam lá, pois possuem uma livraria para cada 15 mil habitantes.

 

Pelos números recentes, demos uma melhorada, mas a estatística ainda é bem ruinzinha: 2.767 livrarias para 190 milhões de pessoas, o que dá por volta de uma para cada 70 mil habitantes.

 

O Estado de São Paulo, que com 676 livrarias está na liderança, para uma população de 40 milhões de habitantes atinge uma livraria para cada 60 mil paulistas. Aqui está a grande vantagem dos argentinos: eles têm uma livraria para cada 50 mil habitantes. Feito o mea-culpa, vamos a algumas considerações relevantes.

 

De acordo com um estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) para a CBL e o Snel, do total de 310 milhões de livros comercializados no Brasil em 2006, apenas 125 milhões foram comprados e vendidos pela livre iniciativa; os outros 185 milhões nem passaram perto da porta das livrarias, pois foram adquiridos pelo governo diretamente das editoras.

Para 2008 o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE/MEC) irá comprar, de 14 editoras e grupos editoriais, 127 milhões de livros para serem distribuídos aos alunos dos ensinos médio e fundamental.

 

É fácil deduzir que, se esse público comprador estivesse adquirindo livros normalmente no mercado, o número de livrarias seria muito maior.

 

O ponto positivo dessa informação é que o governo compra em grande quantidade e, por isso, consegue fazer negociação mais vantajosa. É o maior programa de compra de livros por parte do governo para estudantes em todo o mundo.

 

Mais um dado para refletirmos. Quando se fala em grande livraria na Argentina, as pessoas só se lembram da El Ateneo e de mais uma ou outra. Cada mega store inaugurada pela Fnac, Cultura e Saraiva no Brasil representa quase dez pequenas livrarias. Vai somando tudo isso para ver aonde chegam os números.

Embora as informações atuais indiquem que, enquanto o brasileiro lê em média 1,8 livro por ano, o colombiano 2,4 e o argentino 4, os próprios argentinos reclamam do baixo nível de leitura dos seus estudantes.

 

A pesquisa da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) de 2002 não está atualizada, mas mostra bem como, pelo menos dentro das escolas, estamos na frente: um estudante argentino lê 0,9 livro por ano; no Brasil a média é de 4 livros anuais.

Outro dado alentador para o mercado livreiro do Brasil está no interesse pelas bienais. Os números da última Bienal do Livro de São Paulo impressionam: 1,5 milhão de livros expostos, mais de 800 mil pessoas circulando pelos estandes e 3 mil novos títulos lançados.

 

É livro para argentino nenhum botar defeito. O resultado prático é animador, pois 80% das pessoas que visitaram as bienais compraram livros. O dobro do resultado obtido pelas feiras argentinas.

 

Lógico que essa comparação com os argentinos foi mais para dar uma apimentada na conversa e desfazer um mito que foi propagado por falta de análise mais criteriosa das estatísticas.

Vale a pena observar também como está situado o mercado livreiro no Brasil. Pelas informações da ANL, as 2.767 livrarias existentes no País estão assim distribuídas: 13% são redes com até 20 filiais e lojas independentes e 61% compõem a parte mais representativa do mercado – são redes de 21 a 50 lojas.

 

As livrarias de pequeno e médio porte, com faturamento mensal que varia de 35 mil a 45 mil reais, representam 70% dos estabelecimentos.

 

Para que surjam pequenas livrarias, e para que elas possam se manter no mercado, os empreendedores precisam se dedicar a um atendimento especializado e diferenciado. Desta forma, complementariam ações das grandes redes, como a gigante Saraiva, atendendo a um interesse específico do consumidor.

Outro tema que precisa continuar sendo debatido é o estabelecimento do preço fixo para o livro, com limite para o desconto concedido ao consumidor final, como já adotado em muitos países. São saídas para manter e ampliar o número de livrarias no Brasil.

As estatísticas e pesquisas que usei para alinhavar meu raciocínio podem ser contestadas, e em alguns casos talvez até sejam imprecisas, pois, como dizia Roberto Campos, estatística é como biquíni, mostra tudo, mas esconde o essencial. O importante, porém, é incentivar o debate e a reflexão sobre esse tema tão relevante para o Brasil.

Finalmente, precisamos nos conscientizar da importância de se incentivar a leitura, especialmente entre as crianças, pois é a infância a fase da vida em que se toma o gosto pelos livros.

 

Assim, vamos preparar nosso País para crescer e prosperar. Ninguém pode cruzar os braços diante dessa realidade, pois essa é uma responsabilidade de todos nós.

 

Investimentos como esse feito pela Saraiva devem ser vistos com bons olhos, pois estão acreditando que o brasileiro passará a ler ainda mais. Quem sabe um dia possamos conquistar resultados semelhantes aos países do primeiro mundo. Oxalá!

 

Superdicas da semana:

– Incentive as crianças a ler. Dê livros de presente.

– Estabeleça uma meta para suas leituras. Pelo menos um livro por mês.

– Alterne a leitura entre livros técnicos e obras de ficção.

– Habitue-se a comentar as obras que lê.

– Monte uma biblioteca com livros que mereçam ficar na sua cabeceira.

 

Livro de minha autoria que trata desse tema: “Como falar corretamente e sem inibições” e “A influência da emoção do orador no processo de conquista dos ouvintes”, publicados pela Editora Saraiva.

 

Dica pessoal: acabo de inaugurar uma série de dicas em vídeo sobre a arte de falar. Confira no meu site. Tudo livre e gratuito. O endereço está no final do texto.

 

Integer ultrices pulvinar sem et lacinia. Mauris sed magna nibh. Suspendisse vestibulum dui libero, sit amet feugiat velit iaculis vel. Aliquam fermentum id ipsum congue facilisis. Aliquam ac nisl diam. Praesent ac euismod diam. Duis nec lorem efficitur, malesuada orci at, dictum libero. Mauris congue suscipit dolor, id auctor ligula lobortis a.

Deixe uma resposta

AULA DE APRESENTAÇÃO GRATUITA