< Página Anterior

19 dez 2018

Pode perguntar?

Por Reinaldo Polito

Há situações em que é mais conveniente que as perguntas dos ouvintes surjam desde o início da apresentação, em outras, entretanto, é melhor deixar para o final, e há aquelas também em que é mais apropriado esperar que o público decida como deseja agir.

Quando tiver pleno domínio do assunto que vai expor poderá sugerir à platéia que faça perguntas desde o início, pois assim será possível interagir com os ouvintes o tempo todo, do princípio ao final. Se, entretanto, o seu conhecimento sobre o tema for apenas limitado, mais ou menos como a situação do estudante que estuda o suficiente para passar na prova, é melhor não correr o risco de permitir que façam perguntas desde o início e de que levantem questões para as quais não saiba a resposta. Assim, quando o conhecimento sobre a matéria for apenas superficial é recomendável que as perguntas sejam feitas apenas no final. Em tom de brincadeira, poderia dizer ainda que nesta circunstância será possível esticar o tempo da apresentação, de tal maneira que não sobre espaço para as perguntas, recomendando aos ouvintes que as enviem por e-mail.

Outro aspecto que precisa ser considerado para decidir sobre o momento mais apropriado para as perguntas é o tamanho da platéia. Se o público for reduzido, menos de 100 pessoas, desde que tenha domínio do assunto, poderá permitir que façam perguntas desde o princípio, pois será possível manter o controle dos ouvintes. Se, entretanto, o público for numeroso, acima de 100 pessoas, mesmo tendo profundo conhecimento do assunto o ideal é que as perguntas sejam feitas no final. E se a platéia for muito mais numerosa ainda é preferível que as perguntas sejam feitas por escrito, para que possa separar aquelas que tenham objetivos semelhantes e sejam resolvidas com a mesma resposta. Esse recurso permite também que um maior número de pessoas seja atendido.

O tempo da apresentação e a circunstância em que ela é realizada também influi na decisão. Se tiver que falar com tempo determinado e reduzido, menos de meia hora, deverá permitir as perguntas apenas no final, pois se respondê-las desde o inicio, ou não cumprirá o tempo determinado, ou não conseguirá transmitir toda a mensagem.

O nível e o conhecimento dos ouvintes também precisa ser considerado. Quando os ouvintes possuem baixo nível intelectual, ou sabem muito pouco sobre o assunto que será tratado é recomendável que só façam perguntas no final, pois se, sem conhecimento, ou despreparados começarem a perguntar desde o início correrá o risco de que levantem questões impróprias ou inconvenientes que poderão comprometer o interesse da platéia.

Os ouvintes tendem a se desinteressar pelo assunto quando a exposição é interrompida por perguntas, pois deduzem que as questões levantadas têm importância apenas para quem fez a pergunta e que não foram planejadas pelo palestrante. Por isso, sempre que for possível valorize a pergunta dizendo “muito boa sua pergunta”, “interessante essa questão”, “pertinente sua observação”, e de outras frases de estímulo, pois assim estará dizendo nas entrelinhas aos ouvintes que a pergunta está dentro do assunto e que todos deveriam prestar atenção na resposta. Só tome cuidado para não valorizar todas as perguntas quando forem muito freqüentes, visto que os ouvintes poderiam entender essa atitude como um artifício, pondo em dúvida sua credibilidade. Nesse caso, valorize uma, pule umas duas, valorize outra. Assim, usará o recurso sem deixar que os ouvintes percebam a técnica.

Se a pergunta não for boa, valorize, mas não responda. Diga, por exemplo, que pessoalmente se interessa muito pelo tema e que gostaria de conversar com o ouvinte depois da apresentação. Ele ficará feliz por ter proposto um assunto que interessa ao palestrante e você não arriscará perder a platéia tratando de uma matéria que foge do objetivo da apresentação e que provavelmente não interessa ao público.

Se tiver dúvida quanto ao nível intelectual dos ouvintes e ao conhecimento que possuem sobre o tema, ou ainda se desejar medir o interesse do público, deixe a platéia livre para decidir se deseja ou não fazer as perguntas e em que momento.

Resumo:

Os ouvintes devem fazer perguntas desde o início quando:

  você domina o assunto

  público for reduzido

  não houver problema de tempo Os ouvintes devem fazer perguntas no final quando:

  você tiver conhecimento superficial do assunto

  público for numeroso

  tempo da apresentação for reduzido

  nível intelectual dos ouvintes for baixo, ou tiverem pouco conhecimento do assunto Para deixar mais interessante:

  valorizar a pergunta do ouvinte motiva a platéia a continuar atenta.

Integer ultrices pulvinar sem et lacinia. Mauris sed magna nibh. Suspendisse vestibulum dui libero, sit amet feugiat velit iaculis vel. Aliquam fermentum id ipsum congue facilisis. Aliquam ac nisl diam. Praesent ac euismod diam. Duis nec lorem efficitur, malesuada orci at, dictum libero. Mauris congue suscipit dolor, id auctor ligula lobortis a.

Deixe uma resposta

AULA DE APRESENTAÇÃO GRATUITA