< Página Anterior

04 abr 2018

Você fala como orador ou como ator?

Grandes oradores são raros hoje. Quando se faz referência a alguém extraordinário na arte de falar em público, geralmente, são destacados antigos políticos como Carlos Lacerda ou Jânio Quadros.  De novo, quase nada.

 

De vez em quando surge um advogado criminalista que impressiona com sua eloqüência como Waldir Troncoso Peres; religiosos que encantam os fiéis e arrebatam multidões, como o Padre Marcelo Rossi ou o Bispo Edir Macedo. E só.

 

Não que tenham desaparecido os bons oradores. Não que não possamos encontrar pessoas que saibam enfrentar e persuadir com competência uma platéia. Ao contrário, eles estão assomando as tribunas em número cada vez maior.

 

Entretanto, oradores marcantes, que fazem as pessoas mudarem compromissos ou se disponham a ouvi-los independentemente de qualquer outro programa que pudessem ter, escassearam muito nos tempos recentes.

 

Talvez a última grande novidade em oratória tenha sido o ex-deputado Roberto Jefferson.  Ele apareceu como um furacão e conquistou uma legião de admiradores. Muitas pessoas ficaram tão empolgadas com seu desempenho diante dos microfones que me pediram que as ensinasse a falar como ele.

 

Como sua maior exposição ocorreu na época da CPMI dos Correios e das denúncias do esquema do mensalão, muita gente associou sua imagem com aquele triste momento da história do Brasil e deixou de observar sua excepcional capacidade de comunicação.

 

João Mellão Neto, extraordinário jornalista, disse em um de seus textos: ‘Assisti, por mais de três horas, ao depoimento do deputado Roberto Jefferson no Conselho de Ética da Câmara. Impecável. Nota 10 em postura, retórica, clareza de raciocínio, domínio da platéia. O professor Reinaldo Polito, grande mestre da oratória, haverá de me dar razão’.

Sem dúvida o ex-ministro estava certo em sua avaliação. Mas, por que as pessoas ficaram fascinadas pela comunicação do ex-deputado petebista? Quais os aspectos da sua oratória o tornaram diferenciado e poderiam servir como exemplo para que você pudesse também aprimorar a comunicação?

Vamos começar pela voz http://economia.uol.com.br/planodecarreira/artigos/polito/2007/07/23/ult4385u24.jhtm de Roberto Jefferson. A voz tem ótimo timbre, é sonora, forte e muito bem articulada. A dicção é perfeita. Alterna a velocidade da fala e o volume da voz com naturalidade, produzindo um ritmo melodioso e agradável.

Sempre que encerra um pensamento faz pausas apropriadas, conseguindo assim valorizar as informações que transmitiu e permitir que os ouvintes tenham condições de refletir sobre a mensagem que acabou de comunicar.

Sabe ser agressivo quando enfrenta um adversário e mostra-se indignado ou se vale da ironia para se defender dos ataques que recebe. Recorre à voz para evitar os apartes quando os julga inconvenientes.

Outro aspecto que chama a atenção pela qualidade na comunicação do orador é o seu vocabulário http://economia.uol.com.br/planodecarreira/artigos/polito/2007/03/02/ult4385u4.jhtm . Roberto Jefferson jamais hesita quando precisa encontrar a palavra adequada para corporificar seu raciocínio.

A construção das frases é perfeita, sempre com começo, meio e fim. Não comete erros gramaticais grosseiros. Conjuga os verbos de forma correta e se preocupa em fazer com acerto as concordâncias.

Possui o automatismo da fala. Isto é, por causa das diversas atividades que exerceu ou ainda exerce como apresentador de televisão, advogado, político, está tão acostumado a falar em público que ao pronunciar a primeira palavra de uma frase, todas as outras aparecem automaticamente para concluir o pensamento.

Basta observar as diversas entrevistas que deu sobre o mesmo tema – algumas frases são exatamente as mesmas. Essa qualidade dá a ele fluência e muito desembaraço.

E talvez esteja na expressão corporal um dos pontos mais fortes da sua comunicação. Os gestos, o jogo fisionômico, especialmente o olhar, a forma como inclina o corpo para a frente durante o ataque, e recua para se defender ou refletir, são detalhes que trabalham em perfeita harmonia com a inflexão da voz e a mensagem. O conjunto é harmonioso e coerente.

Nenhum orador pode pretender sucesso se não tiver conteúdo. Roberto Jefferson navega com tranqüilidade sobre qualquer tema, seja assunto relacionado ou não à política. Sabe organizar os argumentos em uma ordenação lógica que desnorteia seus adversários http://economia.uol.com.br/planodecarreira/artigos/polito/2007/04/07/ult4385u9.jhtm .

Refuta as objeções contrárias como se soubesse com bastante antecedência o que as pessoas iriam dizer. Não deixa apartes ou ataques sem resposta. Sabe que do choque entre a tese e antítese irá prevalecer o que não for destruído, e que servirá como síntese, ou seja, sobrará para o julgamento.

Além de todas essas qualidades, fala com paixão, com envolvimento, com entusiasmo, com emoção. Em nenhum momento se expressa só por se expressar – demonstra de maneira evidente e bastante clara que a mensagem que está comunicando é relevante, e se é importante para ele, deve ser também para os ouvintes.

Mostra-se destemido e muito corajoso. Entretanto, embora possua todas essas qualidades, que constituem a aplicação prática dos conceitos teóricos da boa comunicação, só a história poderá dizer se ele é realmente um bom orador.

Na verdade, as únicas pessoas que podem dar essa resposta são ele próprio e aqueles a quem acusou. Por enquanto vamos nos ater apenas aos aspectos estéticos da comunicação, sabendo que alguém só poderá ser considerado um bom orador se o que diz estiver respaldado na ética e na verdade.

Faço a ressalva porque seus oponentes disseram que suas acusações são infundadas. Por isso, se ele tiver sido verdadeiro, se as suas acusações encontrarem amparo na sinceridade, poderá ser considerado um dos melhores oradores que o Brasil já conheceu.

Se, por outro lado, alguma informação não tiver apoio na realidade dos fatos, poderá ser considerado apenas um bom ator. Como eu disse, só o futuro poderá nos dar a resposta.

Superdicas da semana

– Fale com volume de voz adequado ao ambiente

– Alterne a velocidade da fala e volume da voz para bom ritmo

– Tenha harmonia entre a expressão corporal, a inflexão voz e a mensagem

– Ordene bem o pensamento, com começo, meio e fim

– Fale com emoção e envolvimento

– Saiba a diferença entre falar como orador e interpretar como ator

 

Para ver outras dicas entre no meu site https://reinaldopolito.com.br/portugues/dicas.php?id_nivel=15

Livros de minha autoria que tratam desse tema: “Como falar corretamente e sem inibições”, “Assim é que se fala” e “Superdicas para falar bem” (também em audiolivro), publicados pela Editora Saraiva.

Integer ultrices pulvinar sem et lacinia. Mauris sed magna nibh. Suspendisse vestibulum dui libero, sit amet feugiat velit iaculis vel. Aliquam fermentum id ipsum congue facilisis. Aliquam ac nisl diam. Praesent ac euismod diam. Duis nec lorem efficitur, malesuada orci at, dictum libero. Mauris congue suscipit dolor, id auctor ligula lobortis a.

Deixe uma resposta

AULA DE APRESENTAÇÃO GRATUITA