< Página Anterior

22 mar 2019

Língua Solta

Por Reinaldo Polito

Mesmo que não seja um orador nato, você pode aprender a falar bem em público. Confira – e pratique – as dicas de quem entende do assunto

Quando me perguntam se falar bem é um dom que nasce com algumas pessoas, noto que, mais do que uma pergunta para esclarecer a dúvida, o objetivo é buscar uma resposta afirmativa que os tranqüilize. Ao discutir esse tema, as pessoas procuram uma espécie de desculpa para suas deficiências de comunicação, pois, se apenas alguns poucos privilegiados nasceram dotados para falar bem, elas, as excluídas por natureza, estão a salvo das possíveis críticas, e tranqüilas com sua consciência – afinal, nada poderiam fazer para mudar seu destino. No fundo, elas já sabem a resposta, mas como a esperança é a última a ser sepultada, torcem para estar enganadas. Como já conheço o filme, fico em silêncio aguardando a próxima cena, que não falha:- Sabe o que é, Polito, conheço algumas pessoas que falam muito bem e nunca freqüentaram um curso de expressão verbal.Primeiro, quem garante que essas pessoas nunca freqüentaram um curso de expressão verbal? Depois, freqüentar um curso não é a única maneira de aprender a falar bem. Alguns, desde jovens, aproveitam as oportunidades e desenvolvem sua comunicação. Por tentativas, errando e acertando, aprendem a fazer apresentações eficientes. Outros, no entanto, na grande maioria dos casos, ou não encontraram circunstâncias favoráveis para se desenvolver, ou preferem se resguardar e não utilizam as chances que surgem. Acontece que errar enquanto se é jovem talvez não traga conseqüências para a imagem do orador aprendiz, mas após subir os primeiros degraus na hierarquia um erro pode ser fatal e comprometer as posições duramente conquistadas, ou interromper uma trajetória em ascensão. Nesse caso, como a posição não permite erros elementares de comunicação, passamos a recusar convites para falar e a fugir de situações que nos exponham, e deixamos de aprender.Tive um aluno que em sua apresentação na primeira aula disse que passara a vida inteira fugindo e dando desculpas para não ter de falar em público. Só que as pessoas já não estavam mais acreditando nas suas histórias, e que tinha ido ao cur suas desculpas mais eficientes. Nas situações em que, pela posição ocupada, os erros de comunicação não podem ser cometidos, a solução é buscar ajuda profissional e se aprimorar sem o risco de prejudicar-se com os deslizes comuns ocorridos na fase do aprendizado. Também o jovem que prefere preservar-se, ou não encontra oportunidades para se desenvolver, pode garantir e abreviar seu aprendizado procurando orientação especializada (a luta pelos espaços profissionais começa cada vez mais cedo, e a comunicação é um dos principais ingredientes para ser bem-sucedido).Aprendendo a falarVocê já observou como o aprendizado da fala é natural? Algumas crianças começam um pouco mais cedo, outras com idade mais avançada, mas todas, desde que não tenham problemas sérios que impeçam seu desenvolvimento, aprendem a falar. Só que esse aprendizado quase sempre é interrompido nos primeiros estágios. Depois que a criança, com a ajuda dos pais, aprende a identificar os objetos mais importantes e a construir frases que traduzam o que pensa, costuma ser deixada por sua própria conta. Se esse aprendizado continuasse um pouco mais, com prática de leitura em voz alta, apresentações de improviso sobre diferentes temas, exposições planejadas de assuntos debatidos na imprensa ou de matérias escolares, todas, sem exceção, desenvolveriam sua habilidade para falar em público. E ninguém mais poderia dizer que falar bem é um dom natural em apenas alguns.Nunca é tarde para continuar O fato de o aprendizado ter sido interrompido não significa que não possa mais ser retomado. A qualquer época, independentemente da idade, todas as pessoas podem continuar seu desenvolvimento e aprender a falar melhor. Mesmo porque, por mais drástica que tenha sido a interrupção, o aprendizado da fala não é paralisado completamente. O desenvolvimento pode não ter ocorrido da maneira ideal, mas de alguma forma ele caminhou. Freqüentamos escolas, conversamos com pessoas, enfim, estivemos expostos à comunicação e aprimoramos a fala.Agora é só aprimorar o aprendiza sabe falar. O que terá de aprender é a usar a palavra em situações que talvez não esteja tão acostumado, como na frente de uma platéia. Para ter sucesso nessa empreitada, procure comportar-se diante do público da mesma maneira como age no dia-a-dia. Aí reside o grande erro da maioria das pessoas. Quando usam a palavra em público, começam a agir de forma diferente: a postura fica enrijecida, os gestos são executados de forma mecânica, os olhos mostram um brilho de distanciamento, a voz adquire tom solene, o vocabulário é contaminado por expressões que até então só haviam sido encontradas no dicionário, mas nunca usadas para falar. Como é que alguém pode pretender se sair bem em uma apresentação se assume postura e atitudes distintas das que está acostumado? O resultado soa artificial, transmite insegurança. E depois a pessoa se lamenta de não ter o dom para falar bem…O recado é: encare o público e procure se comportar como se estivesse diante de um grupo de amigos. Quanto mais você puder agir da maneira como se expressa quando está diante de pessoas do seu relacionamento, mais seguro e confiante se sentirá – e muito melhor será a qualidade da sua exposição. As palavras conhecidas, usadas nas suas conversas cotidianas, fluirão espontaneamente, a postura será correta, sem rigidez, os gestos identificarão e enfatizarão as informações importantes e estarão prontos para esclarecer as mensagens que foram apenas subentendidas, e, se olhar para os ouvintes como olha para os seus amigos, dificilmente você se mostrará distante.Faça pequenas adaptações Falar em público nada mais é do que uma conversa animada. Para que a fala tenha essa característica e seja própria para uma apresentação de trabalho, ponha um pouco mais de energia em tudo que fizer. A primeira sugestão é: aumente um pouco o tom de voz, para demonstrar seu envolvimento e interesse pelo assunto. Como você falará mais alto, os gestos e a fisionomia precisarão ser mais expressivos, para que exista harmonia entre os diversos aspectos da comunicação. As pausa ouvintes percebam melhor a importância das informações, tenham condições de refletir sobre elas e aumentem a expectativa sobre o que virá na seqüência.Quanto maior é a platéia, mais energia e disposição você deve usar. Leve tudo para a frente do público – sua presença de espírito, seu bom humor, seu estilo pessoal. Se souber fazer imitações, use essa habilidade de vez em quando; da mesma maneira, se souber cantar, dançar, contar piadas, histórias, casos interessantes, aproveite e explore suas habilidades para surpreender o público e criar empatia. O que estou dizendo não é literatura só para motivar. Faço esse trabalho há mais de 25 anos e me emociono ao constatar que pessoas que chegaram inibidas, desconfiando da própria competência para falar em público, depois de poucas horas, ao aprender a usar o que já possuíam de melhor na sua comunicação, tornaram-se confiantes. Sem mudar, apenas aproveitando o que já haviam desenvolvido durante a vida, superaram suas dificuldades e passaram a ser pessoas mais felizes.Seja você mesmo, use o dom natural que recebeu e tenha muito sucesso (depois me escreva para contar sua experiência).

" data-link="https://twitter.com/intent/tweet?text=L%C3%ADngua+Solta&url=https%3A%2F%2Freinaldopolito.com.br%2Flingua-solta%2F&via=">">Twittar
0 Compart.

Integer ultrices pulvinar sem et lacinia. Mauris sed magna nibh. Suspendisse vestibulum dui libero, sit amet feugiat velit iaculis vel. Aliquam fermentum id ipsum congue facilisis. Aliquam ac nisl diam. Praesent ac euismod diam. Duis nec lorem efficitur, malesuada orci at, dictum libero. Mauris congue suscipit dolor, id auctor ligula lobortis a.

" data-link="https://twitter.com/intent/tweet?text=L%C3%ADngua+Solta&url=https%3A%2F%2Freinaldopolito.com.br%2Flingua-solta%2F&via=">">Twittar
0 Compart.

Deixe uma resposta

AULA DE APRESENTAÇÃO GRATUITA